6 de novembro de 2017

[Resenha] Tartarugas até lá embaixo - John Green

Eu estava começando a entender que a vida é uma história que contam sobre nós, não uma história que escolhemos contar

Ok, vamos lá: começar essa resenha não é nada fácil por diversos motivos. O primeiro deles é que sou a maior fangirl de John Green em um raio de, sei lá, muitos quilômetros. Já contei sobre isso algumas vezes aqui no blog, e automaticamente quando alguém ouve o nome do João Verde, associa a mim.

Em segundo lugar, foram seis anos de espera até ter essa preciosidade em mãos, com expectativas que variavam entre "com essa sinopse, isso aqui vai flopar" e "eu sei que meu deus-da-escrita-jovem-contemporânea não vai me decepcionar". E não me decepcionou. Definitivamente. Com uma escrita muito mais madura do que a dos seus livros anteriores, mas sem perder o humor e as peculiaridades, Tartarugas até lá embaixo me fez ter certa fé na vida. (mas sobre isso vamos falar nos próximos posts dessa semana especial).

A sinopse nada convidativa vocês já devem conhecer: Aza Holmes é uma garota com TOC (e eu diria, traços de ansiedade) que descobre que o pai bilionário de um amigo de infância desapareceu. Além disso, estão oferecendo uma recompensa de 100 mil dólares para quem tiver qualquer informação sobre o paradeiro dele. E ela e a melhor amiga, Daisy - que na verdade a convence, quase a obriga - partem em busca de pistas para, finalmente, colocarem as mãos no dinheiro.

Mas vou te dizer aqui, bem baixinho, quase que em segredo: nada disso importa. Nada mesmo. A sinopse esconde aquilo que realmente faz o livro ser o mais sensível que John já escreveu (e olha que eu sou fascinada por Looking for Alaska). Eu diria que os personagens principais dessa história, na verdade, são os transtornos mentais.


As personagens vivem, sim, suas aventuras e suas vidas. Definitivamente não é um livro onde o foco é o transtorno. Mas ele está lá. Em cada almoço que Aza Holmes pensa nas milhões de bactérias que habitam seu estômago e a ajudam a digerir o seu lanche de mel e pasta de amendoim. No momento em que ela pensa encontrar o amor, mas tem medo dos micróbios transmitidos por um beijo. No calo que mantém aberto no dedo desde a infância e que machuca nos momentos de ansiedade para, depois, ficar ainda mais ansiosa pela possibilidade de uma infecção.

E isso - essa forma de abordar o transtorno não como o foco principal da história, mas também sem renegar a sua existência, tratando-o exatamente como ele é: mais um personagem na história da protagonista, e na do John e na minha - é o que me ganhou completamente. Eu não botava fé alguma nesse livro, não vou mentir. Não sou o tipo de fã que aplaude cada passo do ídolo. Mas dessa vez, em Turtles, sinto que John finalmente rompeu com o rótulo de 'autor-de-a-culpa-é-das-estrelas' que carregava desde então.

E rompeu com esse rótulo quebrando muitos paradigmas, o primeiro deles sobre os próprios transtornos, já que resolveu escrever sobre algo que ele vive. John vive com TOC, e mostra nesse livro que arrumar os livros da sua estante por cor ou tamanho não é TOC. Que a aflição que temos quando formas não estão alinhadas não é TOC. Que TOC é desesperador a ponto de te fazer engolir álcool em gel para matar supostas bactérias que vivem dentro de você.

Quebrou esse rótulo, também, com um final diferente de todos os outros que já escreveu e que, pra mim, foi o melhor de todos. Mostrando que o universo é completa e unicamente feito por possibilidades. Em nenhum dos livros do autor nós sabemos exatamente qual o destino dos personagens, isso é um fato. Isso não muda em Turtles. Mas John nos entrega algo que deveríamos sempre ter em mente, em qualquer história, em qualquer momento de nossas próprias vidas: as possibilidades. E a esperança de que transtornos mentais não devem ser capazes de paralisar nossas vidas.

Infos:
Título original: Turtle all the way down
Autor: GREEN, John
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788551002001
256 Páginas

Livro cedido para resenha pela editora
Para comprar: Amazon | Submarino
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)


1 comentários :

Obrigada pela visita e comentário!
Comentários com mera intenção de spam ou divulgação serão ignorados.

Todas as visitas são retribuídas (muitas vezes retribuo seguindo o blog em questão, para assim poder comentar uma publicação que seja interessante e acrescentar ao invés de só retribuir).

Beijos ^-^