30 de junho de 2016

[Resenha] Dias Perfeitos - Raphael Montes

Queria estar na última fileira do cinema com Clarice. Ela o havia beijado naquele churrasco. Por que parar? Do beijo, furtado e furtivo, ele havia se tornado refém. Não era o invasor, mas o invadido; não queria só desvendar, mas ser desvendado. Ele amava Clarice, admitiu. Precisava ser amado.

Sou apaixonada por thrillers, e conhecer um nacional que não perde em nada para Gillian Flynn ou Stephen King é algo que merece ser compartilhado! Dias Perfeitos me deixou vidrada, e em menos de 2 dias concluí essa que foi uma das leituras mais incríveis até agora.

Téo divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e as aulas na faculdade de Medicina. É um garoto solitário e com gostos e atitudes peculiares - como por exemplo, fazer amizade com os cadáveres de suas aulas de anatomia. Além disso, tem uma relação um pouco complicada quando o assunto são as outras pessoas; dificilmente consegue sentir algo que ultrapasse o nojo por outro ser humano.

Mas Clarice consegue mudar isso. A garota é leve, de espírito livre e conversa fácil, e ao se encontrarem num churrasco, acabam se conhecendo e se beijando. O que antes era um coração gelado se enche de uma paixão intensa pela garota, e Téo decide que fará o possível e o impossível para encontrá-la, mesmo sabendo pouquíssimas coisas sobre ela.

Ele então dá um jeito de descobrir em qual faculdade Clarice estuda e passa a persegui-la. Nas aulas, nos passeios, descobre onde é sua casa... Até o dia em que a encontra bêbada num bar. Téo faz a linha "salvador da pátria" e a leva para a casa. E é a partir daí que as coisas passam a ficar bastante estranhas.

Téo começa a visitá-la aleatoriamente, de surpresa, agindo como se fosse um amigo íntimo de Clarice. A garota percebe essa pequena invasão de privacidade e acaba discutindo com o rapaz, que não encara nada bem a situação e acaba tomando atitudes um pouco drásticas com relação à rejeição que sofre.


Esse livro me deixou extremamente incomodada logo nas primeiras 50 páginas. A obsessão que Téo desenvolve por Clarice é completamente doentia, e eu me senti muito desconfortável com as atitudes que ele tomava com relação à ela, desde persegui-la até os pensamentos que ele deixava transparecer (apesar de o livro ser escrito em terceira pessoa, os pensamentos de Téo são sempre bem explicitados pelo narrador).

Não vou negar que pensei em desistir do livro, tamanho era o desconforto que ele me causava. Mas aí refleti melhor, e retomei aquele pensamento que sempre deixo pra vocês por aqui: um bom livro é aquele que nos faz sentir coisas, e nem sempre essas coisas são boas. No caso de Dias Perfeitos, da primeira até a última página, Raphael Montes conseguiu me encher de medo, indignação, aflição, revolta, tristeza... E um livro que traz tantos sentimentos assim não pode ser considerado menos que incrível. É meio assustador pensar que essa história saiu da cabeça de outro ser humano, confesso. Não quero ter que encontrar o autor numa rua escura jamais!

O livro em si é cheio de referências a ele mesmo. O título remete ao roteiro que Clarice escrevia, também chamado de Dias Perfeitos (e podemos dizer que também se refere à visão de Téo sobre tudo aquilo que acontece na história) e a capa faz referência à pousada onde Téo e Clarice vêm a se hospedar no decorrer do livro. 

Eu poderia dizer que o ponto alto do livro é o final, mas eu estarei me enganando e enganando a vocês. O livro todo dá a sensação de que o leitor chegou ao clímax, para algumas páginas depois encontrar outro plot que pode ou não virar o jogo para um dos personagens. Essa leitura é mais do que recomendada aos apaixonados por thriller, mistério e livros que desgraçam a cabeça.

Infos:
Título original: Dias Perfeitos
Autor: MONTES, Raphael
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 9788535924015
275 páginas

Para comprar: Submarino | Americanas | Amazon
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

2 comentários :

  1. Eu tinha latas expectativas com relação ao livro e confesso que ele não me surpreendeu. Pelo contrário, fiquei bem decepcionada em algumas partes. E não gostei do final.
    Mas pretendo ler outros livros do autor, mas este infelizmente não consegui gostar.
    Beijos
    http://recolhendopalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, que pena :\ Eu fui total sem expectativas e talvez por isso tenha achado tão bom. Mas com os próximos tenho medo de me decepcionar justamente por esperar muito.

      Excluir

Obrigada pela visita e comentário!
Comentários com mera intenção de spam ou divulgação serão ignorados.

Todas as visitas são retribuídas (muitas vezes retribuo seguindo o blog em questão, para assim poder comentar uma publicação que seja interessante e acrescentar ao invés de só retribuir).

Beijos ^-^