28 de janeiro de 2016

[Resenha] Uma história meio que engraçada - Ned Vizzini

Se existe outra vida, espero que ela seja no passado; não acho que no futuro ela possa ser um pouco mais fácil de lidar.

Já amei muito Uma história meio que engraçada em vários vídeos lá no canal, mas chegou a hora de contar com detalhes o porquê esse livro me marcou tanto! Antes mesmo de terminar a leitura, lá pela página 80, eu já tinha certeza que entraria pra minha lista de livros favoritos da vida.

Craig tem 15 anos e vive uma vida quase normal pra um adolescente de sua idade: vai a festas, tem problemas com garotas, melhores amigos... Mas nem sempre foi assim. Durante o ensino fundamental, Craig se isolou e se afundou nos estudos com o objetivo de ingressar na Executive Pre-Professional, uma das melhores escolas de ensino médio de toda Nova York.

Ele atingiu seu objetivo, mas depois disso nada mais foi como antes. As expectativas que tinha com relação à escola foram todas destruídas por uma realidade um pouco mais complicada, onde todos os alunos eram excepcionais, deixando o garoto como apenas mais um ''na média''. Nesse contexto, Craig é diagnosticado com depressão e inicia o tratamento através de remédio e terapia.

Mas esse o é passado. No presente o garoto está em meio a uma de suas crises e pronto para se suicidar. É nesse momento que ele decide procurar ajuda no hospital Argenton, e acaba internado na ala de psiquiatria adulta. Em menos de 24h por lá ele já desiste, descobrindo que existem pessoas em situações bem piores que a dele - como Muqtada, seu colega de quarto que não levanta da cama há semanas - e que talvez aquele não seja o lugar certo para ele.

Mas por regras do hospital, ele é obrigado a permanecer por lá durante mais 5 dias, o que faz com que Craig conheça melhor cada um dos internos daquela ala, suas peculiaridades, seus problemas, mas também o lado bom de cada um deles.

Esse livro me tocou por diversos motivos: eu me vi muito em Craig. Passei muito tempo da minha vida sonhando com o momento em que entraria na faculdade, estudando muito pros vestibulares, mas finalmente conseguir acabou com toda a magia e expectativa que eu tinha com relação a isso. E acabei ganhando também uma depressão como prêmio de consolação.

Mas não foi só a depressão que me aproximou do personagem, e sim a forma como ele lida com ela. Craig muitas vezes deixa a doença tomar conta de quem ele é? Sim. Mas em outros tantos momentos lida com ela de uma forma muito natural e consegue até fazer piada com o assunto (assim como fiz ainda há pouco).

Outro ponto que me encantou no livro foi toda a sua parte gráfica. A história conta como Craig costumava desenhar mapas quando era criança e o reencontro dele com essa arte durante sua estadia no hospital, porém de uma forma diferente. Vemos isso representado muito bem na capa, e no início de cada capítulo com um pedacinho do mapa reproduzido na capa.

O livro termina com uma mensagem muito boa pra quem passou por algo como o personagem. Uma mensagem que te incentiva a sair de casa, a lutar com todas suas forças pra que a doença vá embora, uma mensagem que diz que não somos limitados àquilo que a depressão faz conosco... E tudo isso me tocou muito, me tirou muitas lágrimas dentro de um ônibus de volta pra casa. Porém, para Ned Vizzini talvez essa mensagem não tenha sido tão eficaz.

O autor escreveu Uma história meio que engraçada em 2004 após ter passado 5 dias num hospital psiquiátrico. Pode-se dizer que muito do que é lido no livro é autobiográfico. Porém, em 2013, Ned acabou tirando a própria vida pulando do telhado da casa de seus pais, no Brooklyn - a mesma casa retratada no livro. Nem por isso a mensagem que o livro traz deixa de ser tão verdadeira assim.
Cá entre nós, não estou melhor. Aquele peso na minha cabeça ainda não foi embora. Sinto o quanto seria fácil ter uma recaída, ficar deitado sem comer, desperdiçar meu tempo e ficar me recriminando por desperdiçá-lo (...). Tudo isso ainda está ali. A única coisa é que não é mais uma opção agora. É apenas... uma possibilidade, do mesmo jeito que é uma possibilidade eu virar pó no próximo instante e ser dispersado pelo universo como uma energia onisciente. Ou seja, não é uma possibilidade muito provável. (pg. 290)




Infos:
Título original: It's kind of a funny story
Autor: VIZZINI, Ned
Editora: Leya
ISBN: 9788544102589
294 páginas 

Para comprar: Submarino | Americanas | Amazon
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá

2 comentários :

  1. Ótima resenha, parabéns!
    Eu amo esse livro. É uma pena que o Vizzini tenha escrevito um livro sobre superação e acabou não conseguindo superar a depressão..
    Escrevi uma resenha sobre esse livro também em meu blog, se quiser dar uma olhada, fique a vontade! c:
    Lar Literário: http://larliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! É uma pena mesmo, mas acredito que uma das mensagens que o livro passa é justamente a de que nem sempre nós somos capazes de nos livrar dessa doença. Achei um final bem diferente dos que estamos acostumados em livros sobre esse tema.

      Vou dar uma olhada na sua resenha sim! Beijos ;)

      Excluir

Obrigada pela visita e comentário!
Comentários com mera intenção de spam ou divulgação serão ignorados.

Todas as visitas são retribuídas (muitas vezes retribuo seguindo o blog em questão, para assim poder comentar uma publicação que seja interessante e acrescentar ao invés de só retribuir).

Beijos ^-^