28 de janeiro de 2016

[Resenha] Uma história meio que engraçada - Ned Vizzini

Se existe outra vida, espero que ela seja no passado; não acho que no futuro ela possa ser um pouco mais fácil de lidar.

Já amei muito Uma história meio que engraçada em vários vídeos lá no canal, mas chegou a hora de contar com detalhes o porquê esse livro me marcou tanto! Antes mesmo de terminar a leitura, lá pela página 80, eu já tinha certeza que entraria pra minha lista de livros favoritos da vida.

Craig tem 15 anos e vive uma vida quase normal pra um adolescente de sua idade: vai a festas, tem problemas com garotas, melhores amigos... Mas nem sempre foi assim. Durante o ensino fundamental, Craig se isolou e se afundou nos estudos com o objetivo de ingressar na Executive Pre-Professional, uma das melhores escolas de ensino médio de toda Nova York.

Ele atingiu seu objetivo, mas depois disso nada mais foi como antes. As expectativas que tinha com relação à escola foram todas destruídas por uma realidade um pouco mais complicada, onde todos os alunos eram excepcionais, deixando o garoto como apenas mais um ''na média''. Nesse contexto, Craig é diagnosticado com depressão e inicia o tratamento através de remédio e terapia.

Mas esse o é passado. No presente o garoto está em meio a uma de suas crises e pronto para se suicidar. É nesse momento que ele decide procurar ajuda no hospital Argenton, e acaba internado na ala de psiquiatria adulta. Em menos de 24h por lá ele já desiste, descobrindo que existem pessoas em situações bem piores que a dele - como Muqtada, seu colega de quarto que não levanta da cama há semanas - e que talvez aquele não seja o lugar certo para ele.

Mas por regras do hospital, ele é obrigado a permanecer por lá durante mais 5 dias, o que faz com que Craig conheça melhor cada um dos internos daquela ala, suas peculiaridades, seus problemas, mas também o lado bom de cada um deles.

Esse livro me tocou por diversos motivos: eu me vi muito em Craig. Passei muito tempo da minha vida sonhando com o momento em que entraria na faculdade, estudando muito pros vestibulares, mas finalmente conseguir acabou com toda a magia e expectativa que eu tinha com relação a isso. E acabei ganhando também uma depressão como prêmio de consolação.

Mas não foi só a depressão que me aproximou do personagem, e sim a forma como ele lida com ela. Craig muitas vezes deixa a doença tomar conta de quem ele é? Sim. Mas em outros tantos momentos lida com ela de uma forma muito natural e consegue até fazer piada com o assunto (assim como fiz ainda há pouco).

Outro ponto que me encantou no livro foi toda a sua parte gráfica. A história conta como Craig costumava desenhar mapas quando era criança e o reencontro dele com essa arte durante sua estadia no hospital, porém de uma forma diferente. Vemos isso representado muito bem na capa, e no início de cada capítulo com um pedacinho do mapa reproduzido na capa.

O livro termina com uma mensagem muito boa pra quem passou por algo como o personagem. Uma mensagem que te incentiva a sair de casa, a lutar com todas suas forças pra que a doença vá embora, uma mensagem que diz que não somos limitados àquilo que a depressão faz conosco... E tudo isso me tocou muito, me tirou muitas lágrimas dentro de um ônibus de volta pra casa. Porém, para Ned Vizzini talvez essa mensagem não tenha sido tão eficaz.

O autor escreveu Uma história meio que engraçada em 2004 após ter passado 5 dias num hospital psiquiátrico. Pode-se dizer que muito do que é lido no livro é autobiográfico. Porém, em 2013, Ned acabou tirando a própria vida pulando do telhado da casa de seus pais, no Brooklyn - a mesma casa retratada no livro. Nem por isso a mensagem que o livro traz deixa de ser tão verdadeira assim.
Cá entre nós, não estou melhor. Aquele peso na minha cabeça ainda não foi embora. Sinto o quanto seria fácil ter uma recaída, ficar deitado sem comer, desperdiçar meu tempo e ficar me recriminando por desperdiçá-lo (...). Tudo isso ainda está ali. A única coisa é que não é mais uma opção agora. É apenas... uma possibilidade, do mesmo jeito que é uma possibilidade eu virar pó no próximo instante e ser dispersado pelo universo como uma energia onisciente. Ou seja, não é uma possibilidade muito provável. (pg. 290)




Infos:
Título original: It's kind of a funny story
Autor: VIZZINI, Ned
Editora: Leya
ISBN: 9788544102589
294 páginas 

Para comprar: Submarino | Americanas | Amazon
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá

26 de janeiro de 2016

[TAG] Conhecendo novos blogs

Oi gente!
Com o canal cada vez mais ativo, as TAGs acabaram ficando um pouco de lado aqui no blog. Por isso, hoje trago uma um pouco mais pessoal pra vocês, a Conhecendo novos blogs. Quem me taggeou foi o Lucas, do Tentando ser Nerd. Nos conhecemos no 2º encontro de booktubers para inscritos que aconteceu em São Paulo e desde então nos tornamos amigos e eu adoro o canal dele! Não deixem de conferir. 

Vamos às perguntas?!



1 - Se o seu blog não fosse sobre livros, sobre o que seria?
Acho que essa pergunta é a mais difícil! haha. Eu não me imagino falando sobre mais nada - talvez cinema? Mas desse assunto também trato aqui. Provavelmente seria um blog como os que tive antes desse, onde eu escrevia textos mais pessoais e poéticos.

2 - Com que personagem literário você casaria?
ALASCA YOUNG. Sem sombra de dúvidas.

3 - Qual livro você gostaria ter escrito?
Aqui, sendo bem sincera: Harry Potter. Nunca li, mas acho que se tivesse escrito a saga eu estaria milionária nesse momento! hahahaha

4 - Diga três palavras que te definem.
Fome. Sono. Preguiça

5 - Imagine que você pode reler apenas um livro. Qual seria?
Quem é você, Alasca?

6 - A comida da sua vida é...
AI MEU DEUS NÃO ME FAÇA PERGUNTA DIFÍCIL. Batata frita? Dogão? Temaki? Não dá pra escolher uma só. Perdão.

7 - Qual é sua música favorita?
Já comentei isso lááá na Grande Tag Musical. Acho que minha música favorita da vida é Lisztomania, do Phoenix. 

8 - Que país escolheria pra morar?
Eu gosto do Brasil, de verdade. Não mudaria. Mas se fosse preciso me mudaria pra Itália.

9 - Você tem o poder de mudar o mundo. Qual seria a primeira coisa a fazer?
Salvaria todos os animais de rua e os que vivem confinados para servir o homem.

10 - Qual seu blog e canal favoritos?
Difícil escolher só um! Acompanho muito o Sernaiotto, que dá dicas ótimas para blogueiros e social media e o Morando Sozinha da Fran Guarnieri. Já no youtube não é segredo pra ninguém que sou tiete da Tati Feltrin, mas saindo do clichê: acompanho a Mell Ferraz e a Ju do Nuvem Literária.


Não vou taggear ninguém porque me sinto meio envergonhada pra isso! hahah Mas se você sentir vontade de responder essa tag, não hesite! E me manda aqui nos comentários o link pra eu ler suas respostas ;) 




20 de janeiro de 2016

1 ano de Poesia Destilada no Youtube!



Há exatos 365 dias atrás eu ligava a câmera - ou melhor, o celular - para gravar pela primeira vez. Eu falei baixinho, pausadamente, quase não dava pra entender o que eu falava. Eu contava sobre os livros que pretendia ler em 2015, o projeto da Charlie's Book List, e pedia pra que se inscrevessem por favorzinho.

De lá pra cá muita coisa aconteceu. Morri de vergonha de contar pras pessoas (conhecidas ou não) que agora eu tinha um canal no youtube; participei do meu primeiro encontro de booktubers onde quase chorei porque uma pessoa me conhecia e assistia ao meu canal, que até então tinha menos de 300 inscritos. Registrei em forma de vlog os meus passos pelo Rio de Janeiro até conhecer o meu autor favorito - coisa que jamais teria acontecido se o blog ou o canal não existissem.

Nesse um ano, muita coisa também mudou: a voz ficou mais alta, a Ana se soltou mais. Os vídeos ficaram mais curtos, consequência de muito estudo e observação do porquê eu gostava tanto dos outros canais e do meu não. E isso foi outra coisa muito importante que mudou nesse tempo! Eu fazia os vídeos por gostar de fazê-los e por sentir necessidade de dividir algumas leituras com outras pessoas. Porém, eu detestava meus vídeos. Só de pensar no fato de reassistir algum de meus vídeos ou de alguma pessoa que eu conhecia assisti-los já me deixava ansiosa.

Cerca de 2 meses atrás eu desanimei totalmente com o canal. Por mais que eu gostasse e precisasse compartilhar alguns livros, isso não era suficiente para a carga emocional que vinha acompanhada toda vez que eu subia um vídeo no canal do blog. Então, eu comecei a perceber melhor tudo que eu não gostava no meu canal mas gostava nos que acompanhava, tudo que me incomodava, e notei que eu não era eu mesma.

Até fiz um vídeo comentando sobre esse meu incômodo com a falta de espontaneidade que eu observei em mim mesma. E então, quando entendi o que me deixava com tanto medo, foi como se a paixão pelo que eu faço aqui e lá renascesse. Eu perdi a vergonha de contar pras pessoas que tenho um canal e até assisto meus próprios vídeos várias vezes, porque agora sim eu me vejo ali!

Em 1 ano, conquistei sozinha, com meu próprio esforço e lágrimas e timidez, quase mil inscritos. (Quase meeesmo, já que até o momento da publicação desse post, estou na marca dos 990). Eu não consigo explicar qual é a sensação de saber que mil pessoas me assistem, se inscreveram o meu canal e possivelmente gostam do que assistem por lá. E mesmo que fossem 50 pessoas - eu me lembro de quando cheguei aos 100 inscritos e parecia algo totalmente surreal. Eu nunca vou me acostumar com isso.

Eu penso muito em desistir, sou auto-crítica demais e me comparo muito com os outros, mas sempre que algo de muito legal acontece no/por causa do canal, eu lembro porquê tô lá. Sempre que recebo um comentário eu sinto que não posso simplesmente desistir. Tem sim pessoas que esperam pelo meu vídeo toda semana, e eu não posso deixar essas pessoas na mão.

E pra você, que é uma dessas pessoas: meu muito obrigada. Você pode não saber, mas só o ato de clicar em um botão, um dia, ou deixar um comentário, já mudou a minha vida. Eu com certeza não sou a mesma Ana que ligou a câmera há um ano atrás, assim como não serei daqui a um ano, e sei o quanto o youtube e as pessoas que conheci por causa dele são importantes nessa mudança.


19 de janeiro de 2016

[Resenha] Caixa de Pássaros - Josh Malerman

Ninguém tem respostas. Ninguém sabe o que está acontecendo. As pessoas estão vendo alguma coisa que as leva a machucar os outros. A machucar a si mesmas. As pessoas estão morrendo. Mas por quê?

Que Caixa de Pássaros era um thriller desses de tirar o fôlego e te fazer dormir de luz acesa eu já sabia. Só não estava preparada para todos os sentimentos conflitantes que esse livro me traria. Tensão, agonia, claustrofobia e até mesmo lágrimas de tristeza e emoção - tudo isso em um único livro.

Malorie está prestes a deixar a casa onde vive junto a seus dois filhos e partir para o desconhecido. As janelas e portas estão trancadas e protegidas por lençóis e cobertores. As crianças - e até mesmo ela - utilizam vendas que as impedem de enxergar o mundo tal como ele é. Mas por quê toda essa proteção? Por que enxergar é perigoso no mundo em que essa família vive?

4 anos antes algo de muito estranho começou a atingir todo o mundo. Começando pela Rússia e, então, chegando até os Estados Unidos, as pessoas pareciam estar enlouquecendo. Primeiro, as vítimas se tornavam violentas como animais selvagens, sendo capazes até de atacar seus parentes mais próximos. Depois, acabavam por tirar a própria vida de formas brutais e assustadoras.

A princípio esse cenário não assustou Malorie. Os acontecimentos estavam distantes geograficamente dela e de sua família e pareciam ser casos isolados. Mas aos poucos, a população passou a se proteger de todas as formas possíveis do que quer que estivesse enlouquecendo as pessoas. Quando as primeiras teorias sobre aparições estarem causando o transtorno que levou muitos a morte começaram a surgir, o fato de enxergar se tornou extremamente perigoso.

O consenso era: não abra os olhos. E Malorie não os abriu. Percorreu dezenas de quilômetros até uma casa onde acreditou estar em segurança. Lá, juntamente com outras 6 pessoas e carregando um filho no ventre, lutou pela sua sobrevivência sempre com medo do que o outro lado da porta estaria reservando para quem saísse ou ousasse abrir os olhos. 

Agora, ela está se preparando para fugir daquela casa, deixando pra trás as lembranças de tudo o que viveu lá, de todas as pessoas que dividiram o teto com ela por tanto tempo. Agora, tudo o que leva consigo são os filhos e o terrível medo do que quer que esteja acontecendo lá fora. 

Caixa de Pássaros nos apresenta dois cenários diferentes: o mundo antes e depois do momento em que Malorie deixa a casa. Em alguns capítulos acompanhamos como tudo se desenrolou desde o momento em que a primeira vítima enlouqueceu, as mudanças que o mundo foi sofrendo, a chegada de Malorie à casa em que viveria os próximos 4 anos, seus moradores e o medo que os mantinham trancados como em uma caixa.

Paralelo a isso, outros capítulos nos mostram a fuga de Malorie rio abaixo, junto a seus dois filhos altamente treinados para ouvir cada som diferente e que nunca viram a luz do sol, saindo de casa apenas vendados. É possível sentir a tensão daquela família a cada novo barulho, a sensação de estar sendo seguido, a confusão e a dúvida sobre que tipo de criatura habita o planeta naquele momento.

Nenhum outro thriller conseguiu me trazer tanto medo como Caixa de Pássaros trouxe. Eu realmente senti o que os personagens sentiam, o medo do desconhecido, de enxergar o que quer que fosse e enlouquecer assim como as outras vítimas. Um trabalho excepcional de Josh Malerman e que merece todos os elogios que vêm recebendo da crítica especializada e dos blogueiros e booktubers mundo a fora! Já torço por uma adaptação cinematográfica desse livro - que, juro, será o único filme de terror que estarei ansiosa para assistir!

Infos:
Título original: Bird Box
Autor: MALERMAN, Josh
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580576528
268 páginas
Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas | Amazon
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

13 de janeiro de 2016

4º encontro de booktubers para inscritos - como foi?

No último sábado, dia 9 de janeiro, aconteceu na Biblioteca do Parque Villa Lobos, em São Paulo, o 4º encontro de booktubers para inscritos e obviamente eu compareci! No último encontro em São Paulo, em junho do ano passado, conheci muuuitos amigos especiais, e essa foi uma oportunidade maravilhosa de rever todo mundo.

(eu; Júlia - que não tem canal; Jaque do Marcando uma Página e Lucas do Tentando ser Nerd. Nos conhecemos no primeiro encontro e a amizade permaneceu!)

O evento começou às 13h, do lado de fora da biblioteca. Eu acabei chegando um pouco mais tarde quando os participantes já estavam se organizando para a retirada de senhas para a programação do auditório. Nesse meio tempo me surpreendi muito por saber que algumas pessoas me reconheciam do blog e do canal! Apesar de ver o número de inscritos crescendo a cada dia ainda é muito bizarro quando um inscrito aparece em carne e osso. Fiquei muito feliz e foi muito importante pra mim as fotos que tirei e os abracinhos. Obrigada, gente! Cada um de vocês ajudou esse dia a ser mais especial ainda.

(Sgrig, do 3Dudes e meu futuro marido )

(Jaque, do Marcando uma Página. Vamos casar também!!!)

(Jackson, do Connect4, sendo trevoso comigo)

(Jamison, a primeira pessoa a me reconhecer na vida e eu quase chorei? Sim)

(Habner e o melhor marcador do mundo!)

(Wheezy, que me surpreendeu no auditório)

Enquanto a primeira sessão rolava dentro da biblioteca, no auditório, o restante da galera participava de um bate-papo muito bacana do lado de fora, no deck. Conversamos sobre nossos livros favoritos (eu juro que me segurei e não peguei o microfone pra passar horas falando sobre Alasca, heh); tiramos dúvidas e ainda fizemos muitas brincadeiras valendo kits impecáveis fornecidos pelas editoras apoiadoras do evento.

Já na segunda sessão no auditório - a que participei -, conversamos mais um pouco sobre o booktube e uma nova ferramenta do site Skoob que nos ajudará na divulgação dos nossos vídeos e canais. Depois disso mais brincadeiras, e eu inclusive ganhei uma delas, graças à minha incrível (só que não) criatividade ao resenhar um livro que não existia somente através de um título imaginário.




Pra terminar, fizemos uma batalha de dublagem - na qual fui ferozmente massacrada pela melhor dupla de performance de Cool for the summer - e ainda fizemos uma super performance de Bang, todos juntos, cheios de amor e malemolência.

(O Famoso e esperado: BANG dos Booktubers!)

No último encontro fiz um post com algumas críticas negativas à organização do evento, e hoje venho escrever justamente o contrário: o evento foi maravilhoso! Não imagino de que forma ele poderia ter sido melhor. Dessa vez eu realmente me senti parte do booktube, me senti igual a todos que estavam lá. A energia do evento era outra, e eu consegui sentir muito amor emanando de todo mundo. Enfim! Eu já sinto saudades desse dia e das pessoas incríveis que revi e conheci. Espero que o próximo encontro não demore a chegar ❥. 

Na próxima sexta-feira vai ao ar a tentativa de vlog sobre esse encontro! Fiquem ligados no canal :)

7 de janeiro de 2016

Novos marcadores de página do blog!

Olá gente!

No ano passado algumas pessoas tiveram o prazer de receber um dos marcadores de página do blog - seja em algum encontro de booktubers, seja pelo correio ou das minhas mãos mesmo. Mas agora, com toda essa reformulação do blog, os marcadores também merecem uma carinha nova, né? ;)


Esse será o novo modelo de marcador de página do blog!
Quem estiver lá pelo 4º encontro de booktubers para inscritos em São Paulo vai ter a oportunidade de ser um dos primeiros a receber o novo marcador.

Se você não vai, não precisa se preocupar: todas as compras feitas na nossa loja recebem um marcador. Massss, para facilitar a vida de todo mundo, abri um formulário no google pra quem quiser recebê-los pelo correio!

Sei que já tentei fazer algo parecido antes, na primeira pesquisa de opinião do blog, mas naquela época acabei tendo problemas com os marcadores e só fui conseguir resolver recentemente, então ao invés de refazer os antigos, criei uma nova arte.

Se você tem interesse em receber um dos marcadores do blog é só acessar esse formulário e preencher corretamente com seu nome e endereço para envio. O formulário ficará aberto até o dia 1 de março, e todos os marcadores serão enviados após esse prazo.

Espero que tenham gostado da novidade! 


6 de janeiro de 2016

3 desafios literários para 2016!

Oi gente!

No ano passado eu resolvi me propor um desafio: eu leria todos os livros citados em As Vantagens de ser Invisivel. Iniciava-se assim a Charlie's Book List. Não consegui concluir o desafio em 2015 por diversos motivos (que contarei com mais detalhes em um vídeo), mas a meta continua, e espero até o final desse ano concluir as 12 leituras.

Além desse desafio existem centenas de outros aí pela internet a fora, mas hoje selecionei os meus 3 desafios literários favoritos e que podem te inspirar a ler mais em 2016!

Calendário Literário do Vitor Martins


Se você ainda não conhece o Vitor, corre agora pro youtube conhecer! Além de booktuber, o Vitor Martins também é ilustrador, e criou esse calendário liiindo, todo com suas ilustrações - que são uma fofura só.

Mas além disso, cada mês propõe uma leitura diferente: ler um livro escrito por uma mulher; ler uma obra de ficção científica ou um livro que tenha sido um presente. Ao todo, o calendário literário te desafia na leitura de 12 livros diferentes. Uma forma super bacana de desempacar alguns títulos da estante e também de se aventurar em novos gêneros!


Lendo Harry Potter com a Ju do Nuvem Literária


Eu não sei ao certo vocês, mas eu sofro um bullying violento por nunca ter lido Harry Potter! Quando a saga teve o boom entre as crianças e adolescentes eu já lia, mas gostava muito mais dos quadrinhos da Turma da Mônica ou das histórias do Ziraldo. 

Por isso, decidi que esse ano isso vai acabar: vou ler Harry Potter! E com isso em mente, tive a sorte de me deparar com outras pessoas que tinham a mesma meta para 2016. Assim conheci o projeto Lendo Harry Potter, criado pela Ju do blog Nuvem Literária. Se você também se sente excluído dos grupos de amigos por esse pequeno detalhe em sua vida de leitor e quer acabar com isso esse ano, junte-se a nós e leia Harry Potter também!


Desafio Literário 2016 do Chiclete Violeta


Continuando na onda de desafios literários criados por booktubers, a lindíssima Vic do Chiclete Violeta também criou seu próprio desafio literário! O desafio consiste em ler 32 livros com especificações diferentes, como por exemplo ler um autor africano, um livro que se passe na ásia e também um livro que tenha sido resenhado por seu booktuber favorito.

Gostei desse desafio principalmente por ter trazido temáticas diferentes das comumente abordadas nesses desafios. A Vic foi além do tradicional "leia um livro com uma capa azul" e estimulou os participantes a buscarem obras cada vez mais diferentes. Ou seja: se tornou realmente um desafio e não só mais uma lista de leituras! Nesse vídeo ela comenta um pouco mais sobre os livros que ela incluiu na lista dela e você também encontra o desafio completo.


Espero que vocês tenham gostado das indicações! Não deixe de comentar qual o desafio literário que você fará em 2016 (e principalmente se for algum dos citados no post!). Acompanhe também a fanpage do blog no facebook - outros desafios que surgirem serão publicados por lá ;).