30 de novembro de 2015

[Resenha] Sonhos Partidos - M. O. Walsh

Naquela época você poderia fazer um furo em mim e tudo o que veria cair seriam itens do armário de Lindy. Nenhum sangue em mim. Apenas um coração obcecado. Eu não defendia nada. Não lutava por nada. Não consegue ver? Estou me apresentando aqui como inocente.


O verão de 1985 foi um marco na vida da maioria dos moradores de uma pequena vizinhança na cidadezinha de Baton Rouge. Lindy Simpson, uma garota de 16 anos atraente, filha exemplar e atleta promissora fora estuprada. Os suspeitos são vários: cada garoto adolescente ou pai de família poderia ter cometido o crime. Dentre eles, o narrador de Sonhos Partidos.

Não identificado durante toda a história, o narrador era obcecado por Lindy na época em que o crime aconteceu. Passava seus dias a observando pela janela, já sabia de cor toda sua rotina e virava noites fantasiando com a garota. Porém, a partir do dia em que os boatos sobre atitudes estranhas envolvendo ele e paixão platônica pela garota ganham forma na cidade, ele se torna um dos suspeitos.

Todo o livro é narrado em forma de lembranças desse rapaz, que no momento já é adulto. E é isso que assusta: estamos diretamente dentro da cabeça de um adolescente que não tem pudor algum ao retratar Lindy. Estamos em contato direto com todas suas fantasias, e isso nos coloca diretamente em um conflito. Apesar do narrador se declarar diversas vezes como inocente pelo estupro, suas atitudes nos colocam a pulguinha atrás da orelha.

Mas não só de memórias de Lindy é construído o livro. Na verdade, acabamos imersos em grande parte da adolescência do narrador e também na vida de outros personagens, como é o caso da vizinhança e todos os outros suspeitos do crime, que nunca teve um culpado preso e julgado. 

A narrativa é realmente instigante, do tipo em que cada capítulo deixa um gancho para o próximo, fazendo com que o leitor não consiga parar a leitura até que o livro seja completamente devorado. Porém, no decorrer desses capítulos, muitas vezes o narrador se perde tanto em suas memórias, que acaba divagando e trazendo à tona assuntos totalmente diferentes do que esperamos (e do gancho que foi deixado). Na minha opinião, isso pouco contribuiu para o desenrolar da história.

Cheio de metáforas e pequenas reflexões, Sonhos Partidos me fisgou de uma forma que não me importava mais saber somente quem estuprou Lindy, mas qual foi o futuro de cada personagem apresentado. E quando cheguei finalmente ao final, onde a maioria das perguntas são respondidas, não pude conter o sorriso que vinha lá do fundo da alma.

O último capítulo é a cereja do bolo, é o momento em que todo o livro faz sentido e que, apesar de diversas partes do livro não terem exatamente me agradado, torna o livro uma leitura válida. Sonhos Partidos não é somente sobre o estupro de Lindy Simpson. É sobre memórias, lembranças, família, e principalmente sobre o impacto que a adolescência e seus acontecimentos podem ter na vida de uma pessoa. Leitura mais do que recomendada.

Infos:
Título original: My sunshine away
Autor: WALSH, M. O.
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580577938
255 páginas

Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

16 de novembro de 2015

[Resenha] O Leitor do Trem das 6h27 - Jean-Paul Didierlaurent

Não se passa um dia sem que eu escreva. Não fazê-lo seria como não ter vivido esse dia, ter me limitado a esse papel de limpadora de xixi-cocô-vômito que querem que eu assuma, uma pobre moça que tem como única razão de viver essa função trivial pela qual lhe pagam.

O leitor do trem das 6h27 é Guylain Vignolles. Solteiro, vive sozinho e tem cerca de 30 anos, todas as manhãs lê fragmentos de diversas obrar em voz alta no trem que o conduz ao trabalho, numa usina destinada a destruir livros encalhados nas estantes e transformá-los em páginas para novos livros.

Parece contraditório que um leitor assíduo trabalhe num local como esse - e é. Mas é justamente de lá que Guylain retira seu estoque de pequenos trechos de livros que serão lidos no trem. A maioria desses fragmentos é retirada justamente do que resta dos livros na chamada Coisa: a máquina responsável por destruir os livros e a qual o personagem opera. 

Um dia, numa de suas viagens de trem, Guylain encontra um pendrive no banco em que costuma sentar. Ao chegar em casa e vasculhar os arquivos presentes no dispositivo, ele acaba encontrando diversos documentos que, juntos, formavam uma história escrita aparentemente por uma mulher responsável pelos banheiros de um grande shopping. O que ele não sabia é que esses escritos mudariam muito na sua vida e em sua forma de enxergar o mundo ao seu redor.

O livro é bem curtinho e tem ritmo de conto. Acredito que o ponto principal e que mais me cativou nessa leitura foi a construção dos personagens. O autor não poupa esforços (e nem características) para criar personagens únicos e peculiares! São o tipo de pessoa que não esbarramos por aí em qualquer lugar.

Por exemplo, o porteiro da usina é um senhor fascinado por versos alexandrinos. Além de lê-los a todo momento, muitas vezes ainda os encorporava em seu vocabulário, e os diálogos com o personagens se tornam verdadeiras obras de arte a medida em que são descritos.

Há também um ex-funcionário da usina, que perdeu suas duas pernas ao ser engolido pela Coisa. Esse poderia ser o fim de sua vida... Isso se não encontrasse uma motivação ainda maior para seus dias: perseguir todos os exemplares dos livros originados a partir do papel que era esmagado pela Coisa no momento em que ela o engoliu e que, consequentemente, também continha o resto das suas pernas.

É bizarro, sim. Mas a motivação e o orgulho do personagem ao reencontrar cada livro perdido deixam de lado essa parte macabra.

Amei a experiência de ter lido esse livro, e me imaginei trabalhando num local destinado a destruir aqueles que hoje são considerados meus melhores amigos - os livros. Acredito que toda pessoa apaixonada pela leitura precisa conhecer esse livro e seus personagens peculiares. O livro é curtinho, tem uma arte gráfica maravilhosa e além de tudo vem numa versão pocket exclusiva, pra você carregar por aí e, quem sabe, não se tornar o leitor do transporte público da sua cidade!
Infos:
Título original: Le liseur du 6h27
Autor: DIDIERLAURENT, Jean-Paul
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580577914
175 páginas
Livro cedido para resenha pela editora:
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

13 de novembro de 2015

[Especial Keri Smith] O mundo imaginário de...

Olá!
Hoje, último dia da semana especial Keri Smith em parceria com a editora Intrínseca, vim fazer uma pergunta a vocês: em que mundo você gostaria de viver?


Esse é o tema principal do novo livro interativo da autora, "O mundo imaginário de...". Nele, Keri Smith busca também incentivar a criatividade dos leitores, mas dessa vez através da criação de um mundo perfeito onde gostaríamos de viver!

A princípio listamos todas as coisas que gostamos, para nada ficar de fora da construção desse mundo perfeito - livros, músicas, sentimentos, cores, animais, cheiros... Literalmente tudo aquilo que mais amamos! Depois desse exercício, partimos efetivamente para a construção do nosso mundo.

Nessa etapa imaginamos como seriam as paisagens, as ruas, os habitantes. Que tipo de poderes as pessoas teriam, quais os valores essenciais do seu mundo e também as leis. 


Eu já comecei a criar o meu mundo! Nele, todos os dias seriam como tardes de outono (nem quentes e nem frios demais); as pessoas seriam empáticas com o próximo e nenhum animal seria explorado na indústria da carne ou abandonado ao relento, todos seriam amados e teriam uma casa pra viver. As bibliotecas seriam recheadas de livros, dos clássicos aos lançamentos, e todos teriam acesso à elas. 

A experiência de completar esse livro me deu muita esperança de que um dia o meu mundo imaginário seja, na verdade, o mundo real onde vivemos. E não custa nada sonhar, né?! Como a autora pontua no início do livro: o ato de criar um mundo é um ato revolucionário. 

Documentei um pouquinho da construção do meu mundo imaginário lá no canal do blog! Venham ver o vídeo e não se esqueçam de se inscrever também:


Para comprar: Submarino | Americanas

E assim encerro a semana especial Keri Smith aqui no blog! Espero que tenham curtido os posts. Se você se interessou por algum dos livros citados ou já adquiriu algum deles, não deixem de comentar aqui o que achou! Um beijo :)


11 de novembro de 2015

[Especial Keri Smith] Destrua este diário em qualquer lugar.

Olá!
Como já comentei no post de segunda-feira, essa semana trarei mais informações sobre os novos livros interativos da autora Keri Smith! O livro de hoje é o Destrua este diário em qualquer lugar



Em uma versão pocket, pra poder carregá-lo e destruí-lo literalmente em qualquer lugar, o livro traz novas formas de intervenção ao ar livre, algumas da versão normal do livro mas que não deixam de ser divertidas e também páginas para que o leitor crie sua própria forma de destruir! Comecei pelos primeiros passos: nomear o livro para que se algum dia perdê-lo ele continuar em boas mãos.



Depois parti para outro passo importantíssimo: criar uma forma de carregá-lo comigo sempre. Como não vivo sem uma mochila que aguente todo livro e bugiganga que preciso ter comigo diariamente, encontrei uma forma de acoplá-lo à minha mochila. Talvez não seja muito eficiente, mas quanto mais quedas ele sofrer, melhor né?! Me conta o que você achou!



Resolvi que também precisava deixá-lo mais... apresentável. Você sairia sem roupas na rua? Então não tem porque pensar que o meu diário sairia! Tratei logo de cumprir um dos desafios propostos por Keri Smith e ainda deixei o livro pronto pra ir comigo pra aula de dança. Como você vestiria o seu diário?


Bom, daqui pra frente a ideia é fazer dele o meu maior companheiro no dia-a-dia e não ter dó algum de arrastá-lo, jogá-lo barranco abaixo ou mesmo de alturas muito grandes, enchê-lo de terra, insetos, coisas gosmentas, compartilhá-lo com os amigos e com pessoas desconhecidas... Vocês já sabem: se tratando de Keri Smith, vale tudo!

Nos próximos dias estarei destruindo-o com todo amor e carinho, e o melhor é que tudinho será documentado e compartilhado com vocês em um vídeo que, em breve estará no canal. Então não se esquece de se inscrever lá, hein? 

Até sexta-feira com a última parte do especial Keri Smith em parceria com a editora Intrínseca! ^-^


Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

10 de novembro de 2015

[Resenha] Fangirl - Rainbow Rowell

Talvez você ache que eu sou um pouco maluca, mas eu só deixo as pessoas verem a ponta do meu iceberg de maluquice. Por baixo dessa aparência de um pouco maluca e levemente retardada socialmente, eu sou um completo desastre.

Esse livro estava parado na minha estante há meses, e quem me incentivou a leitura foi a Cássia, do Procurei em Sonhos. Ela me indicou num projeto chamado Tá na estante e não leu? Seu amigo escolheu. Infelizmente, na época, eu estava sem notebook e não consegui participar do projeto certinho, indicando pessoas e concluindo a leitura em 15 dias. Porém, achei importante postar essa resenha e citar o projeto! 

Fangirl conta a história de Cath. Cath tem uma irmã gêmea chamada Wren e ambas são viciadas nas história de Simon Snow. Tanto que há alguns anos mantém uma fanfic sobre o mago na internet e recebem milhares de acessos mensais. 

Porém, com a entrada das irmãs na faculdade tudo muda: Wren não quer ser vista como a nerd esquisita que escreve fanfics e sim como uma garota descolada e festeira, e acaba fazendo novos amigos e deixando a irmã de lado.

Cath então se isola cada vez mais e dedica todo o seu tempo às aulas de escrita criativa e ao projeto da fanfic. Porém as coisas em sua família vão se complicando: o pai tem um de seus frequentes surtos e é internado em uma clínica psiquiátrica, Wren passa a beber muito e a mãe das meninas, que sumiu quando ambas eram crianças, resolve retornar para a vida delas contra a vontade de Cath.

Tudo isso afeta a garota de formas muito distintas e que acaba afetando todos os setores da sua vida. Seu primeiro impulso é desistir da faculdade e voltar para a cidade natal, ficando longe de uma parte dos problemas e podendo cuidar do seu pai em tempo integral. 

Porém, também existe Levi. Levi é ex-namorado de sua colega de quarto e já faz parte da sua vida mais do que deveria. Com seus sorrisos, cafés e aparições de surpresa, ele acaba se tornando um refúgio pra quando tudo parece perdido.

A narrativa da autora já me agradou desde Eleanor & Park. Por conta disso, cheguei até Fangirl com as expectativas muito altas e isso acabou estragando minha experiência de leitura. Desde o princípio achei o livro muito grande para a história que se propunha a contar. Minha primeira impressão foi de que haveria muita enrolação - e eu estava certa.

Foram 400 páginas que bem poderiam ter sido reduzidas pela metade. Os personagens tem características bem particulares e interessantes, mas o enredo deixa a desejar. Apesar de me identificar com muitas das aflições de Cath, que deixa transparecer uma pontinha de transtorno de ansiedade em algumas de suas atitudes, os conflitos não foram bem resolvidos ao final da história.

Com relação à fanfic, se você é fã de Harry Potter vai notar a semelhança entre ele e Simon Snow (e até se não for rs). Porém, achei que a autora errou em colocar trechos da fanfic entre os capítulos, pois a história ficou muito jogada e perdida.

Enfim, foi uma leitura arrastada e um final que me decepcionou, apesar da identificação com a personagem e com os dilemas que ela enfrentou ao entrar na universidade. Isso não quer dizer que deixo de indicar o livro, já que muitas outras pessoas gostaram e a narrativa da autora continua a me encantar cada vez mais.
Infos:
Título original: Fangirl
Autora: ROWELL, Rainbow
Editora: Novo Século
ISBN: 9788542803686
421 páginas
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

9 de novembro de 2015

[Especial Keri Smith] "Destrua este diário em qualquer lugar" e "O mundo imaginário de..."

Olá gente!
Essa semana vai ser bastante especial aqui no blog: teremos posts todos os dias, e 3 deles serão sobre a autora de livros interativos Keri Smith! Então, se você gosta desse tipo de livro, fique de olho por aqui e também na página do facebook.

Hoje venho apresentar para vocês os novos livros interativos da autora: "Destrua este diário em qualquer lugar" e "O mundo imaginário de...". Mas antes disso vou contar um pouquinho da minha história com a autora.



Em 2012/2013 trabalhei em uma livraria, como alguns de vocês já sabem. Coincidentemente, os livros da Keri Smith ficavam exatamente na sessão que eu era responsável! Até então os livros não haviam sido publicados no Brasil, e por se tratar de um produto importando o preço era um pouquinho salgado... Apesar de ter me apaixonado pela ideia da autora e pelos livros que acabei conhecendo, não tinha coragem de pagar caro por algo que eu iria destruir.

Alguns meses depois a editora Intrínseca fez a minha alegria, finalmente: Destrua este diário seria publicado no Brasil! Fiquei realmente muito feliz. Porém, assim que adquiri-lo veio o dilema: como eu teria coragem de destruir um trabalho tão lindo e criativo? Acabei "destruindo" algumas páginas e o aposentando na minha estante, porque realmente não tive coragem de acabar com ele.

Recentemente descobri através do tumblr pessoas que utilizam o diário de uma forma menos destrutiva, digamos. As páginas são todas artísticas, criativas e lindas! Foi então que resolvi tirar o meu diário da estante e desde então tenho me aventurado aos poucos.

Nos últimos meses a editora Intrínseca trouxe mais duas novidades da autora, com propostas diferentes, mas nunca deixando de lado o objetivo de explorar nossa criatividade. 

Destrua este diário em qualquer lugar


A proposta de destruir o diário continua! Dessa vez em versão pocket pra você literalmente carregá-lo e destruí-lo em qualquer lugar. O livro conta com maneiras de destruí-lo completamente novas, para serem feitas ao ar livre, e também as mais divertidas e amadas pelo público da primeira edição do livro.

O mundo imaginário de...



Se você pudesse viver no mundo dos seus sonhos, como ele seria? É essa a pergunta que o livro te ajuda a responder! As páginas são repletas de perguntas como essa, onde você descreve o clima ideal do seu mundo, as paisagens, as pessoas... É realmente um exercício que tem como objetivo nos fazer lembrar das coisas que mais gostamos nesse mundo e que levaríamos para o nosso. Amei!


Como já contei pra vocês, durante essa semana trarei outros posts contando um pouquinho mais sobre esses lançamentos! Não deixem de conferir, hein? ;)