26 de junho de 2015

Maratona Literária de Inverno 2015! #MLI2015



Yaaaay! O Victor Almeida, do Geek Freak, está organizando mais uma maratona literária para nossa alegria, e eu mais uma vez vou flopar participar!

Dessa vez, a maratona durará 4 semanas: de 6 de julho a 3 de agosto, e consiste basicamente em semanas de leitura intensa, guiadas por temas e outras coisas sinistras que já estão acontecendo na página do evento desde antes da divulgação!

Funcionará da seguinte forma: cada semana será dedicada a um gênero literário diferente

Semana 1: fantasia, distopia, ficção científica
Semana 2: thriller, suspenses, terror
Semana 3: YA, romance, drama, chick-lit
Semana 4: livros nacionais
Essa divisão de gêneros entre semanas não conta pontos nos sorteios, mas é uma sugestão para tornar a maratona mais divertida.

O que realmente conta pontos é a lista de livros, e cada um dos ítens consiste em um desafio diferente. Nesse post, vou apresentar para vocês a minha TBR pra esse desafio!

• Um livro com figuras ou ilustrações
Desventuras em Série vol. 6 - O Elevador Ersatz (Lemony Snicket)
• Comece e/ou termine uma série, trilogia ou duologia
1Q84 - Livro um (Haruki Murakami)
• Um livro que alguém escolheu por você
Eclipse da Vida - Cesar Rabello (novo autor parceiro do blog!)
• Um livro que já virou ou vai virar uma adaptação cinematográfica
O Maravilhoso Agora - Tim Tharp
• Um livro com a capa azul
Vaclav & Lena - Haley Tanner
• Um livro do gênero que você menos leu ano passado
Cidade Fantasma - Tainá Ruiz (gênero: terror. A Tainá também é nova parceira do blog!)
• Um livro que você ganhou e um livro com mais de 400 páginas
Cem Anos de Solidão - Gabriel Garcia Marquez

Como vocês podem ver nos últimos dois ítens, você pode facilmente unir o útil ao agradável e utilizar um mesmo livro em duas categorias! Ainda não sei se vou conseguir dividi-los nas semanas temáticas, mas vou fazer o possível para que sim!

Assim como na maratona 24hx2 que comentei aqui, a #MLI2015 terá muitos desafios no evento, no twitter, sprints, sorteios... E tudo isso devidamente patrocinado pelas editoras que a gente ama: DarkSide, Aleph, Galera Record, V&R e Cia. das Letras. Ao longo da maratona, muitas outras podem se juntar ao time ;)

Diferente da última maratona, que prometi mas não cumpri, dessa vez vou realmente gravar um vídeo, mas ao final da maratona, com alguns vlogs pequenininhos e uma conclusão sobre o que consegui ou não ler. Por isso, não se esquece de se inscrever no canal do blog pra acompanhar!

É isso gente, vejo vocês na maratona, interagindo muito e fazendo desse evento tão gostoso quando o último! 

25 de junho de 2015

Sobre John Green, ídolos e O Grande Talvez.

Eu sempre tive muitos ídolos, a vida toda. Desde Eliana, aos 7 anos, à banda Strike, aos 13. Todos eles acrescentaram diversas coisas na minha vida, e sou grata a todos, todos mesmo. Sem querer colocar ninguém em rankings, hoje posso dizer que tenho um em especial.

Muitos chutariam Alex Turner. Sim, me amarro nele, acho o cara lindão, amo as músicas, não negaria nunca um encontro com ele. Mas tem um outro, aquele outro, que ganhou meu coração desde a primeira palavra escrita por ele que li: John Green.

Hoje em dia milhares de garotas e garotos, adolescentes ou não, já ouviram falar dele - o autor de A Culpa é das Estrelas, o vlogger, o cara que vem pro Brasil na próxima semana. Mas poucas pessoas ouviram (da minha boca provavelmente) sobre o cara incrível que ele é. Sobre como as palavras dele salvaram a minha vida muitas vezes.

É fácil julga-lo como só um autor que escreve para adolescentes. O difícil é enxergar o John que também sofreu bullying na adolescência, o John que escreve justamente pra estar perto de nós no momento em que a vida parece mais confusa e errada. O John que é como o meu melhor amigo - e o melhor amigo de muitas outras pessoas. O John que nos ensina a nunca esquecer de sermos incríveis e de lutarmos contra as coisas ruins do mundo, mesmo que não possamos mudá-las.

Já comentei isso por cima em diversos posts e vídeos, bastante por cima, mas no último ano passei por um período horrível de depressão, das bravas mesmo. Lembro que foi nessa época que resolvi reler Quem é você, Alasca? e eu sabia. Ah, sabia. Eu ia encontrar tanta coisa que precisava naquele livro... Não é a toa que, logo depois, me senti na obrigação de marcar esse livro na pele.



I go to seek a great perhaps.
No português: "Saio em busca do Grande Talvez".
Durante todo o livro é difícil entender o que é o tal do Grande Talvez (sim, com letras maiúsculas), e até na segunda leitura a dúvida ficava. Mas hoje, depois de refletir sobre os últimos e os próximos acontecimentos, eu entendi o que é o Grande Talvez. Não adiantaria colocar ele nas minhas palavras - cada um tem o seu Grande Talvez, assim como cada um tem o seu milagre segundo Quentin Jacobsen.

O meu Grande Talvez ou o meu milagre é o próprio John. Pode parecer piegas, mas a forma como as palavras dele me tiraram do fundo do poço é indescritível. É algo que eu não poderia agradecer e nem retribuir em milhares de anos. Hoje sei que vou conseguir vê-lo. Não sei se de longe, não sei se de perto. Não sei se será possível olhar nos olhos e agradecer por tudo que ele fez indiretamente por mim, mas sim: eu vou ficar frente a frente com o meu Grande Talvez e eu não sei como me sentir ou o que pensar. 

Eu não conseguia escrever há meses - mais precisamente, há mais de um ano - mas as emoções são tão fortes e intensas e confusas que eu consegui. Aqui estou eu, escrevendo um textão sem sentindo, tentando traduzir em palavras a montanha russa de sentimentos que eu estou vivendo.

John, eu não sei como sair desse labirinto, mas sei que já atravessei grande parte dele com a sua ajuda. Muito obrigada!

22 de junho de 2015

[Vídeo-resenha] O Grande Gatsby - Scott Fitzgerald


Infos:
Título Original: The Great Gatsby
Autor: FITZGERALD, Scott
Editora: Abril, coleção Grandes Sucessos
ISBN: -
221 páginas
Ps.: a edição que eu li foi comprada num sebo, e não está mais à venda em lojas físicas. Porém, muitas outras editoras publicaram a obra nos últimos anos, portanto é bem facinho de encontrá-la.

19 de junho de 2015

Untitled



























“Meu Muito Querido:
Tenho a certeza de que estou novamente enlouquecendo: sinto que não posso suportar outro desses terríveis períodos. E desta vez não me restabelecerei. Estou começando a ouvir vozes e não consigo me concentrar. Por isso vou fazer o que me parece ser o melhor.
Deste-me a maior felicidade possível. Fostes em todos os sentidos tudo o que qualquer pessoa podia ser. Não creio que duas pessoas pudessem ter sido mais felizes até surgir esta terrível doença. Não consigo lutar mais contra ela, sei que estou destruindo a tua vida, que sem mim poderias trabalhar. E trabalharás, eu sei. Como vês, nem isto consigo escrever como deve ser. Não consigo ler.
O que quero dizer é que te devo toda a felicidade da minha vida. Fostes inteiramente paciente comigo e incrivelmente bom.
Quero dizer isso — toda a gente o sabe. Se alguém me pudesse ter salvo, esse alguém terias sido tu. Perdi tudo menos a certeza da tua bondade. Não posso continuar a estragar a tua vida.
Não creio que duas pessoas pudessem ter sido mais felizes do que nós fomos.
V.”

(carta de suicídio de Virgínia Woolf)

17 de junho de 2015

15 de junho de 2015

[Parceria] Editora Intrínseca!

No ano passado, posso dizer que a história do blog deu uma reviravolta. De um lugar em que eu só aparecia de vez em quando pra contar sobre alguma leitura interessante ele passou a ser minha principal preocupação. Mudou o nome, a identidade visual. Surgiu uma página no facebook, um twitter, um instagram e, mais recentemente, um canal no youtube.
Poderia dizer que tudo isso já estava na minha mente há tempos, mas como contei no vídeo sobre a história do blog, eu sempre procrastino demais, e posso dizer que um acontecimento foi crucial para toda essa mudança: minha primeira parceria.

A editora Intrínseca sempre foi uma das minhas favoritas, e não digo isso pra puxar o saco não. A começar que ela publica os livros do meu autor favorito - o John Green -, e outros tantos que sempre gostei. No ano passado, foi essa parceria que me fez abrir os olhos e levar o blog a serio. 

Hoje, um ano depois, trago uma notícia mais do que especial: nossa parceria com essa editora tão querida foi renovada!


Tenho muito orgulho dessa parceria. Além de toda essa revolução no blog, ela me proporcionou experiências literárias maravilhosas e também oportunidades incríveis na vida real. Não canso de agradecer pela confiança depositada lá trás, quando o blog ainda era só um recém nascido (ou nem tanto, já que já completava um ano de vida), e no voto de confiança renovado esse ano. O blog ainda está dando seus primeiros passos, mas se depender de mim, essa parceria se estenderá por muitos anos, crescendo e aprendendo juntos! Mais uma vez: muito obrigada.

Pra esse ano, fica o compromisso de trazer sempre mais conteúdo de qualidade pros leitores, dentre resenhas, vídeos, sorteios, e sempre ser um canal aberto para críticas e sugestões. Segue a lista de todos os livros resenhados no último ano em parceria com a editora Intrínseca:

9 de junho de 2015

Segundo encontro de booktubers em SP - Como foi!



Oi gente!
No último sábado aconteceu no Parque Villa Lobos, em São Paulo, o segundo encontro de booktubers. Eu apareci por lá e foi lindo, lindo!

Eu e alguns outros booktubers (todos os links estarão no final do post), já havíamos criado um grupo no whatsapp pra ninguém ficar sozinho por lá. Mas mais do que companhia, acredito que criamos uma amizade muito bacana em pouquíssimo tempo, e foi incrível ter a companhia deles durante todo o evento.

Chegamos no parque em torno de 12h30. O encontro estava marcado para as 13h, e aos poucos fomos nos encontrando e também encontrando outros booktubers que estavam por lá, como o Victor Almeida do canal Geek Freak que é simplesmente sensacional!



A fofíssima da Pam Gonçalves também estava por lá. Mesmo cercada de pessoas e com nosso grupo todo querendo uma foto coletiva, ela fez questão de cumprimentar um por um e dar abracinhos. Pam, por favor, quero ser sua amiga! hahaha


O Vitor Almeida também estava por lá e, gente, ele é mais divertido pessoalmente do que nos vídeos. Quero no meu círculo de amizades também, como faço?!


A Nah Cardoso, além de ser uma das organizadoras do evento ao lado do Victor Almeida e do pessoal do Índice X, foi quem batizou nosso grupo: o grupo que a gente fez. Sim, foi esse o nome que ela escolheu pra gente. Como vocês podem ver, os booktubers transbordam criatividade só que não (tanto que resolvemos que sim, o nome seria esse)


Como dá pra ver pelas fotos, fez um dia liiiindo lá no parque! Mas o dia estava acabando, então migramos para o auditório da Livraria Cultura do shopping Villa Lobos. Por lá, as gincanas continuaram e eu obviamente paguei micão (e não ganhei nada - chateada).

Pontos positivos:
Todos foram muito simpáticos, tiraram foto, conversaram conosco. Fazer amizades lá era super fácil e bacana, já que todo mundo estava numa mesma vibe cheia de amor e abraços e livros. Foi bacana demais - no parque - essa interação que aconteceu. Também gostei de ver que muitas crianças novinhas, de uns 12 anos, super empolgadas em conhecer os booktubers. Isso mostra que eles, além de terem o hábito da leitura, se interessam por cada vez conhecer mais e mais obras, e isso me deixou feliz demais! As pessoas que conheci por lá também fizeram o evento valer a pena totalmente. O Victor Almeida, do Geek Freak, é uma fofura de pessoa. Quero coloca num potinho e trazer pra Valinhos. A Pam Gonçalves também foi super atenciosa e um exemplo de humildade, já que muitos booktubers ali presentes se inspiraram nela para começar. Também conheci a Tati, do Cabine Literária, que trocou uma ideia super bacana comigo e é uma das bookstubers que mais gosto atualmente. Enfim, foi amor demais.

Pontos negativos:
Acredito que a escolha do parque foi um pouco ruim. O lugar é completamente aberto, e especificamente perto do orquidário onde o encontro se focou, não existia nenhuma possibilidade remota de sombra. Participar das gincanas ou mesmo interagir acabava sendo meio exaustivo debaixo do sol que fazia no dia. Mas como não sou de São Paulo, acredito que a escolha do lugar tenha sido baseada na facilidade de acesso, já que a saída do trem é dentro do próprio parque. Mesmo assim, poderia ter sido melhor pensada. Além disso, durante o evento no auditório senti uma separação muito grande entre os booktubers donos de canais relativamente grandes e o restante dos que estavam lá presentes. Muitas vezes me confundi quando algum dos apresentadores dizia "e agora os booktubers" ou "só os booktubers aqui" porque, enquanto eu achava que se tratava dos booktubers ali presentes - independente do tamanho do canal -, na maioria das vezes os booktubers em questão eram os famosos que estavam presentes. Espero que isso seja levado como uma crítica construtiva para o próximo evento. A maioria ali era booktuber, independente de ter um canal grande ou não ;)

Lá no canal do youtube tem um vlog mostrando mais como sobre foi o encontro. Espero que gostem!

Canais amigos:

Estante de Garotos - https://www.youtube.com/user/EstanteD...

Cheirando Livros - https://www.youtube.com/user/ritazerb...

Nerds Leitores - https://www.youtube.com/channel/UC1EW...

Só Lendo - https://www.youtube.com/user/SohLendo

Marcando Uma Página - https://www.youtube.com/user/MARCANDO...

Leitor de Todo Dia - https://www.youtube.com/user/leitorde...

Borogodó Literário - https://www.youtube.com/user/borogodolit

Ânsia na Fala - https://www.youtube.com/channel/UCigO...

AlwaysFindYourWayBackHome Por Barbara Conrado - https://www.youtube.com/channel/UCWvF...


1 de junho de 2015

[Resenha] Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven

De acordo com a minha experiência, as pessoas são muito mais compreensivas se conseguem ver a sua doença, e pela milionésima vez na vida eu desejei ter sarampo ou varíola ou alguma outra coisa facilmente verificável só pra ficar mais fácil pra mim e pra todo mundo.

O quote que inicia esse post aparece logo no começo do livro, e poderia facilmente ter sido escrito por mim. Foi algo que eu pensei inúmeras vezes nesse quase um ano. Se você frequenta esse humilde blog com alguma periodicidade, já deve ter lido alguma resenha em que eu citei meus problemas com a depressão, e sim, esse é mais um livro que trata sobre esse assunto e que não poderia ter me marcado menos.

Theodore Finch e Violet Markey se conhecem de uma forma um tanto quanto esquisita: ambos estavam na torre do relógio da escola prontos para acabar com suas próprias vidas. Macabro? Sim. Mas mais comum do que imaginamos.

Theodore tem uma síndrome que não consegue entender: ele simplesmente "apaga". Quando algo traumático acontece ou até mesmo sem motivos, ele simplesmente dorme por dias a fio. Já Violet perdeu recentemente sua irmã mais velha em um acidente de carro e ainda não consegue superar.

O porém é: Violet é uma das meninas mais populares da escola e Theodore o esquisitão. Clichê, sim, mas ele para por aí. Não é mais um romance genérico que você pode encontrar em qualquer outro livro. Definitivamente não.

Depois de se convencerem a deixar a história de suicídio pra lá, Theodore fica extremamente intrigado. Violet tinha tudo na vida, o que estaria acontecendo para que pensasse em se suicidar? A partir disso o garoto tenta se aproximar a todo custo dela, que no começo se esquiva, mas acaba cedendo. (Ok, depois de muita insistência do garoto e confesso que achei isso um pouco creepy)

Os lugares incríveis começam a partir de um trabalho escolar onde o objetivo é visitar pontos turísticos da cidade onde vivem, e ambos partes juntos atrás desses lugares incríveis, ficando cada vez mais próximos e conhecendo um pouquinho da dor que o outro carrega.

Esse livro me tocou muito, sério. Ele não é uma história de amor com um final feliz. Eu quase pude ouvir Lemony Snicket como no início das Desventuras em Série dizendo: essa não é uma história feliz e se você procura isso, largue esse livro. 

Ele dói, ele machuca, ele dilacera. Meu coração ficou em pedaços no final do livro e quando me dei conta do rumo que a história tomaria, eu senti tanta raiva da autora, mas ao mesmo tempo me senti agradecida. Agradecida porque a vida real é isso! Na vida real às vezes a gente encontra, sim, muita dor. E às vezes essa dor simplesmente não vai embora.

Sei que pra mim é muito mais fácil me comover com esse tipo de história porque me vejo em cada linha escrita pela autora, mas também sei que é impossível não sentir o peito apertar com o final do livro. Tanto que, só ao pegá-lo pra escrever essa resenha meu peito já doeu.

Eu quero, com todo meu coração, indicar esse livro pra todo mundo. Não só esse, como diversos livros que tratam sobre o assunto, e tentar assim desmistificar aos poucos a ideia tão errada que muita gente tem com relação a distúrbios psicológicos. Talvez depois de ler tantas histórias as pessoas entendam que isso é real e, infelizmente, atinge mais pessoas do que é humanamente aceitável.

Ps.: Quem me presenteou com esse livro (com mordidas de cachorro <3) foi o Pedro. Ele é fotógrafo, tatuador e ganhou o livro na livraria onde ele trabalha. Quando fiquei sabendo contei pra ele o quanto era doida por esse livro, e depois de ler ele me deu! Em troca, façam o favor de visitar a página de fotografias dele, ok? Ok. https://www.flickr.com/photos/lokituyre

Infos:
Título original: All the bright places
Autora: NIVEN, Jennifer
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765572
335 páginas
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)