12 de fevereiro de 2015

[Resenha] Não Sou Uma Dessas - Lena Dunham

Não há nada mais corajoso para mim do que uma pessoa anunciar que sua história merece ser contada, sobretudo se essa pessoa é uma mulher. Por mais que tenhamos trabalhado muito e por mais longe que tenhamos chegado, ainda existem muitas forças que conspiram para dizer às mulheres que nossas preocupações são fúteis, que nossas opiniões não são relevantes, que não dispomos do grau de seriedade necessária para que nossas histórias tenham importância.


O burburinho em torno desse livro na internet me alertou: ou ele seria bom demais, ou seria o tipo de leitura que uma feminista não deveria fazer. Foi só depois de ler muitas resenhas e vídeos que tomei coragem de conhecer a obra da autora e criadora da série Girls.

Não Sou Uma Dessas me ensinou que, ao contrário do título, eu sou sim uma dessas - uma dessas mulheres humanas, que podem ou não ser sentimentais e românticas, que podem desejar ou não ter filhos, que transam ou não em um primeiro encontro. Uma dessas que não tem fórmula secreta e nem uma forma padrão. Uma dessas mulheres.

Logo no início, Lena revela sua motivação a escrever um livro de memórias: um outro livro, encontrado e comprado por 0,25 em um sebo. Depois de ler a história dessa mulher que mal conhecia, sentiu uma súbita vontade de contar ao mundo suas experiências e compartilhar histórias que poderiam (e conseguiram!) ajudar mulheres em todo o mundo. Isso tudo nos é contado logo na apresentação, e em 18 páginas eu sabia que estava completamente apaixonada por essa mulher.

É difícil escrever sobre um livro que gostamos muito porque tudo parece extremamente importante e magnífico, mas prometo que nenhuma das descrições dadas aqui é exagerada. Eu realmente me vi nas páginas desse livro, e nas que não houve identificação, eu com certeza conhecia uma amiga que se sentiria representada pela história.

O livro é dividido em 5 seções, sendo elas Amor & Sexo, Corpo, Amizade, Trabalho e Panorama. Em cada uma dessas seções, uma diferente história da vida de Lena é contada através de crônicas ou listas, como por exemplo "13 coisas que aprendi que não se deve dizer aos amigos".

A escrita e a forma como a autora relata determinados acontecimentos com uma naturalidade que dá aquele ar de conversa entre amigas para o livro me encantou. Nenhuma palavra ou ação é omitida ou suavizada. Estupro é estupro, e é devidamente relatado no livro. Lena foi criada em um lar com princípios feministas e cercada de mulheres incríveis, o que certamente contribuiu e muito para sua formação como pessoa e profissionalmente, deixando o livro ainda mais gostoso de ser lido. É muito girl power prum livro só, minha gente!

Quando a edição, a editora Intrínseca caprichou: é parecidíssima com a lançada em hard cover nos Estados Unidos, com ilustrações nas contra-capas, no começo de cada seção e entre as histórias:

(As ilustrações da contracapa)

(Um dos meus capítulos favoritos!)

(O início de cada seção conta com uma ilustração fofinha)

As opiniões sobre os livros foram as mais diversas possíveis. Enquanto eu e pessoas próximas a mim achamos o livro o máximo (inclusive, entrando para minha lista de favoritos), li por aí na blogosfera muita gente criticando e achando a espontaneidade na escrita da Lena muito forçados, vendo os acontecimentos como exagerados só para vender ao público. 

Eu não conheço a Lena. As pessoas que fizeram esse tipo de crítica também não. Portanto é bem complicado apontar quem está certo ou errado em dizer que nada ali é verídico, ou que tudo é extremamente exagerado. Mas no meu ponto de vista, nenhum acontecimento ali é impossível. Pelo contrário - pela minha vivência, pela vivência das minhas amigas, tudo isso não só é possível como é parte da história de cada uma de nós. 

Acredito que essa leitura - como todos os livros, mas de uma forma mais acentuada por se tratar de uma autobiografia que trata de tabus e polêmicas -, é diferente para cada pessoa que o lê, e as vivências do leitor em questão o transformam em algo visto como exagerado, aumentado, impossível, ou apenas um livro incrível em que a cada frase é difícil controlar o riso, já que com certeza de traz alguma lembrança.

Infos:
Título Original: Not That Kind Of Girl
Autora: DUNHAM, Lena
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580576214
303 páginas
Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

5 comentários :

  1. Ana simplesmente me apaixonei pelo livro apenas com a resenha, agora se for falar que a ilustração me fez querer casar com esse livro, uma graça.
    Espero poder ler.

    Seguindo aqui... Beijos e um ótimo final de semana.
    http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/2015/02/o-importante-e-ler.html

    ResponderExcluir
  2. UAU! Eu nunca (nunquinha, jamais!) ia imaginar que este livro abordasse um assunto assim tão... incrível! Juro que, quando vi a capa, achei que fosse um livro de life style ou sobre moda de Paris, sei lá. Doida que eu sou, já descartei a possibilidade de leitura sem nem dar uma chance ao coitado. Mas eu juro que fiquei louca de vontade de ler agora. Adoro autobiografias, ainda mais quando o autor (ou autora, no caso) é tão sincero nos relatos. Vou ler com certeza!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Não sabia dessas críticas sobre a escrita de Lena! O que achei um absurdo pessoas criticarem isso no livro, por que quando o li, não vi exagero nenhum nas histórias contadas e acreditei em tudo que estava lendo, mesmo não conhecendo Lena e seu trabalho na época.
    Esse livro é um prato cheio de histórias engraçadas, de superação e feminista, óbvio. Mas Lena traz um carisma até na sua escrita que fica impossível qualquer um, que já tenha passado por situações difíceis ou tristes ou apenas constrangedoras, não se identificar com ela. Amei o livro também <3

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Primeiramente, obrigado por ter me mostrado a resenha... você me deixou com muita vontade de ler. Segundamente, teu blog é um amorzinho! <3 voltarei aqui mais vezes!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ele tem inspirado muitas mulheres, inclusive eu, para discutir questões que não são considerados adequados. Vou sentir falta de sua série Girls. Ele conseguiu personagens interessantes e profundas, sem descurar a pouco explorado na combinação de humor e drama de TV, por isso é um dos melhores series para esta geração.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e comentário!
Comentários com mera intenção de spam ou divulgação serão ignorados.

Todas as visitas são retribuídas (muitas vezes retribuo seguindo o blog em questão, para assim poder comentar uma publicação que seja interessante e acrescentar ao invés de só retribuir).

Beijos ^-^