31 de dezembro de 2014

[Resenha] A Terapeuta - Gaspar Hernández

Mesmo assim, o fato de que não fosse um turista fez de seu ato algo doentio. Mas, no final, ele não é mesmo um doente? Não é a ansiedade uma doença? E não é uma doença a paixão? Todo dia pensando na pessoa desejada, esperando notícias suas. Há alguma diferença com a obsessão?


O subtítulo do livro logo me chamou atenção: "um romance sobre a ansiedade". Recentemente descobri que faço parte da parcela de pessoas que sofre desse mau. O frio na barriga, a inquietude, a angústia - a ansiedade elevada a um nível de doença. Ao ler esse livro tinha certeza que algo em mim seria tocado. E foi.

Em A Terapeuta conhecemos Héctor, que após presenciar um assassinato passa a ter sensações estranhas e que antes não se recordava de sentir. Um dia, andando pela rua, simplesmente não conseguiu mais se mover. A angústia era tanta, que simplesmente ficou ali, parado, com a multidão passando por ele pela calçada como se não estivesse ali. Quem o socorre é Eugenia Llort, a mesma psicóloga que o atendeu no dia do assassinato - do qual, por sinal, não consegue se recordar.

Depois desse episódio de paralisia - sua primeira crise de ansiedade -, Héctor inicia um tratamento com a terapeuta. Dentre as práticas estão visitas ao local onde o crime ocorreu, como forma de tentar resgatar as lembranças do fatídico dia e também ao teatro onde Héctor costumava atuar, onde desde o ocorrido não consegue exercer sua profissão de ator.

Aos poucos, Eugenia passa a todos os dias assistir às suas apresentações. Na cabeça de Héctor, sua presença lá poderia evitar que uma nova crise de ansiedade acontecesse, e só assim conseguia atuar com tranquilidade. Era como um porto seguro e, aos poucos, uma estranha obsessão pela terapeuta foi surgindo.

Paralelo a isso, Eugenia lida com seus próprios problemas, um deles o mais bizarro de todos: incorporar as doenças e manias de seus pacientes. Ao tratar um homem com TOC, poucos dias depois estava com os mesmos habitos dele. O último a ser tratado fora diagnosticado com agorafobia - uma estranha fobia à sair de sua própria casa, conviver com outras pessoas. E, como já era esperado, Eugenia também se sentia presa nessa fobia.

A narrativa é bem mais madura, diferente da qual estou acostumada, porém de uma forma que gosto bastante. Dividido em duas partes - a primeira contando a história de Héctor e a segunda, de Eugenia, o livro mostra como muitas vezes consideramos normais, certos comportamentos provenientes de algumas doenças. Como foi o caso do personagem, que só depois de diagnosticado conseguiu entender as diversas crises de ansiedade que teve durante a vida.

Um ponto negativo, ao meu ver, foi a escrita em terceira pessoa. Tratando-se de uma doença como a ansiedade, é muito difícil até mesmo para quem a vive descrever qual é o sentimento durante uma crise, e um narrador de fora descrevendo isso acaba deixando o relato ainda mais raso. Mesmo assim, consegui me enxergar em muito do que o personagem Héctor passou.

Em uma primeira leitura achei bastante confuso. Posso dizer que ao terminar o livro você não terá uma conclusão concreta sobre o que aconteceu a nenhum dos dois personagens principais. Mas refletindo um pouco mais sobre o assunto percebi como isso ajudou a dar à obra a essência do assunto tratado. A confusão, o não-entendimento e até a agonia que se sente por vezes durante a leitura são típicas da ansiedade, e o autor foi brilhante nesse aspecto.

De toda forma, recomendo a leitura pela delicadeza do assunto, e pela importância de ser discutido e entendido pelo maior número possível de pessoas. 

Ps.: não encontrei a capa original para ilustrar o post, porém, a versão original é exatamente igual (e eu confesso que fiquei apaixonada pela fotografia).

Infos:
Título Original: La Terapeuta
Autor: HERNÁNDEZ, Gaspar
Editora: Casa da Palavra
ISBN: 9788577344994
207 páginas
Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

29 de dezembro de 2014

Mimos de natal da editora Intrínseca!

Oi gente!

Sei que dei uma sumida do blog e das redes sociais, mas achei estritamente necessário me dar uns dias de descanso da internet. Desativei o facebook, (mas continuei falando bobagem no twitter), e me afundei nos livros e nos filmes. Foi uma delícia! Mas, como o blog já se tornou uma parte de mim, minha cabeça estava sempre aqui. Então voltei!

Nesse tempinho fora da internet, recebi um kit de natal lindíssimo da editora parceira Intrínseca. Postei uma foto dele no meu instagram e twitter pessoais e muita gente gostou, então fiz esse post pra mostrar com detalhes as lindezas que vieram no pacote.

Antes do kit em si, recebi um dos lançamentos de fim de ano da editora: O Presente do meu Grande Amor, uma coletânea de 12 contos natalinos. Tem Rainbow Rowell, autora de Eleanor & Park resenhado aqui no blog, David Levithan que já escreveu em parceria com John Green, Gayle Forman que promete ser a queridinha do momento dos fãs de young e new adult e muitos outros autores incríveis.

É minha leitura atual, e garanto que vai agradar a todos os gostos. Tem young adult, romance, fantasia, sobrenatural... Uma leitura deliciosa para essa época do ano!



Depois de uns dias, chegou na minha casa um pacote lindão e super recheado! Eu já havia visto bem por cima alguns blogueiros parceiros recebendo, mas ter ele em mãos foi outra história. Confesso que lendo o cartão que veio junto acabei derrubando algumas lagriminhas de emoção. 

Mas meu lado emocional fica pro final do post. Finalmente, o que veio no kit?


Almofada pequenininha mas muito fofa que já estou usando pra ler <3


O tal cartão que me fez chorar um tiquinho.


Caderneta do livro Listografia. Xodó! Em capa dura e com post-its. Tem como não amar?



 Bloquinho de marcadores do Extraordinário. Um pra cada mês, com calendário e preceito.

   
                             
Marcadores de metal suuuper diferentes! São para serem usados assim, no cantinho das páginas. (Inclusive, o livro que está servindo de modelo é Filme Noturno, lançamento de novembro da editora e minha próxima leitura. Vai ter resenha aqui!)


Bom, mesmo se eu não tivesse ganho mimos incríveis, eu me sinto na obrigação de agradecer! A editora Intrínseca foi a primeira parceira do blog. Foi a editora que acreditou naquele blog pequenininho, que antes se chamava The Fault In Our Books e tinha no máximo 5 resenhas, e deu seu voto de confiança. Sei que hoje, graças à parceria, tive muito gás pra dedicar ao blog, pra acreditar que faço o que faço da maneira mais certa que posso. Por isso, obrigada Intrínseca! Obrigada pela experiência maravilhosa que foi conhecer tantas histórias esse ano, algumas delas que não me atrairiam em uma livraria, mas que chegaram até mim por intermédio de vocês. Obrigada pela confiança e muito sucesso - pra editora, que mesmo nos meus tempos de livreira e antes do blog era minha favorita, e pro Poesia Destilada.

18 de dezembro de 2014

[Resenha] Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira

Era como se uma banda invisível tivesse começado a tocar a trilha sonora da minha nova vida. Ouvi você. E me perguntei se era isso que May sentia quando estava no ensino médio. Deve ter sido, porque era a música dela. Todas as músicas que ouvimos juntas tocaram de uma vez.



Antes mesmo de ler o livro ou saber sua história, muita gente me disse o quanto eu iria gostar - as comparações com As Vantagens de ser Invisível, meu livro da vida, foram muitas.

Em Cartas de Amor aos Mortos conhecemos Laurel, que perdeu sua irmã mais velha, May, há pouquíssimo tempo e ainda está em processo de aceitação de sua morte. Em cada semana ela vive em uma casa. A do seu pai, que evita tocar no assunto da morte e se tornou uma pessoa apática ou de sua tia Amy, religiosa e nenhum pouco liberal.

No seu primeiro dia de aula no ensino médio, Laurel recebe a tarefa de escrever uma carta a alguma personalidade que estivesse morta. E é assim, primeiro através de Kurt Cobain e depois Amy Winehouse, Janis Joplin, Heath Ledger e muitos outros, que conhecemos a história de Laurel, May, e tudo que levou a protagonista até o momento, intercalando o passado e o presente com as histórias dos destinatários das cartas.

À história que começou com uma unica protagonista solitária e em luto, vão sendo adicionados novos personagens, cada um com suas peculiaridades e seus próprios dramas. Sky, o amor platônico que Laurel somente observa durante o horário do almoço; Hannah e Natalie, melhores amigas que aos poucos vão descobrindo sentimentos que são ao mesmo tempo incríveis e medonhos; Tristan e Kristen, o casal mais poético e apaixonado do colégio. 

Todas essas pessoas ajudam Laurel a reconstruir o seu passado, relembrando de cada momento que permaneceu entalado na sua garganta, e construindo quem ela seria a partir de agora, depois de todos os acontecimentos frustrantes e traumatizantes pelos quais foi obrigada a passar.

Confesso que imaginei que a história ficaria meio sem ganchos por ser escrita em cartas direcionadas para várias pessoas diferentes, mas a autora soube perfeitamente dar liga à narrativa. Cada carta conta um pouquinho da história da pessoa à qual é endereçada, e muitas vezes a protagonista utiliza-se da história dessas personalidades como uma metáfora para algum acontecimento de sua vida que será contado.

Foi impossível não imaginar como seria Laurel e Charlie (o protagonista de As Vantagens de ser Invisível) trocando cartas e compartilhando suas histórias, que por sinal são muito parecidas, não só por serem contadas em cartas, mas também pela aflição de iniciar o ensino médio, uma aproximação com um determinado professor e outras cositas mas que evitarei contar pra não soltar spoiler.

Mas, pra quem acha que tudo foi uma enorme coincidência, fica a dica: nos agradecimentos descobri que Stephen Chbosky foi mentor da autora. Ou seja, totalmente explicada a semelhança entre esses dois protagonistas maravilhosos! 

Foi uma leitura deliciosa, poética, forte e com uma carga de aprendizados que eu nunca imaginei que encontraria. É mais um dos livros que dividem minha vida em antes e depois. (Obrigada Carolinda, pelo presente!)
Infos:
Título Original: Love Letters to the Dead
Autora: DELLAIRA, Ava
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765411
336 páginas

12 de dezembro de 2014

[Destilando Palavras #2] Fuga Nº 1

Vem, me dá a mão. Não tenha medo não. Eu quero o que você quer e ta tudo bem, deixa estar. Só não me deixe estar para sempre parada, estagnada te esperando verificar quantas outras vão passar pela tua vida até tu perceber que eu sempre estive aqui. Deixa a preocupação, os estudos, a aflição, a terapia, os textos, as fotografias, deixa tudo e vem! Só não me deixe esperando a hora de abrir meu coração sem saber no que vai dar. Cala teu choro, esse teu canto triste, essa voz que só sabe dizer sobre teus fracassos e fragilidades. Só não cala teu coração. Deixa ele te guiar. E vem! Vem que ainda é tempo de fugir.
(Fevereiro/2011)

10 de dezembro de 2014

[Sorteio] 1 ano do blog Borboletas Literárias



Oi gente!

Hoje trago um sorteio pra lá de especial pra vocês: nosso blog parceiro, o Borboletas Literárias está fazendo um ano de criação! E pra comemorar, vai rolar sorteio de um dos meus livros favoritos da vida, Quem é você, Alasca? do John Green.

Sendo assim, nos juntamos pra preparar um kit mais do que lindo para vocês, e além do exemplar, você tem a chance de ganhar uma camiseta exclusiva da nossa loja online! Não dá pra ficar de fora, né? Então veja como participar:


REGRAS:

- Seguir todas as entradas obrigatórias;

- Ter endereço de entrega no Brasil;

- A promoção estará no ar de 04 de Dezembro a 04 de Janeiro;

- Os prêmios serão enviados aos ganhadores em um prazo de 30 dias úteis após o recebimento dos dados do ganhador;

- Os Blogs não se responsabilizam por nenhum problema com os Correios. Assim como não se responsabilizam por entrega não efetuada por motivos de endereço incorreto, fornecido pelo próprio ganhador;

- O ganhador terá o prazo de 72 horas para responder ao e-mail que lhe será enviado.

- Após o prazo, se não houver um retorno do ganhador, um novo sorteio será realizado para substituir aquele que não responder ao e-mail;

a Rafflecopter giveaway