29 de setembro de 2014

[Livro x Filme] Jogos Vorazes - Suzanne Collins

Atenção: esse post pode conter spoilers sobre o filme/livro


Yay! Fazia muito tempo que não atualizava essa coluna no blog, mesmo sendo uma das que mais gosto. Porém, não poderia deixar de contar pra vocês minhas impressões sobre essa história incrível.

Sempre senti vontade de ler a trilogia, e depois de ganhar o box de aniversário não tive mais desculpas! Devorei o primeiro livro, Jogos Vorazes, em 3 dias e no dia seguinte fui correndo assistir ao filme, apaixonada pela história.

Pra quem não conhece, o livro é uma distopia onde a américa se transformou em Panem: um país que, no início, foi dividido em 13 distritos e a Capital - literalmente o centro do país. Porém, após uma rebelião dos distritos contra a Capital, o distrito 13 foi excluído e os Jogos Vorazes foram criados para lembrar aos habitantes de sua submissão à Capital. Todos os anos, cada distrito tem 2 tributos escolhidos para serem enviados a uma arena onde tudo pode acontecer para lutarem até a morte. Só 1 sobreviverá.

Katniss é do distrito 12 e, após sua irmã mais nova Prim ser uma das sorteadas na chamada Colheita dos tributos, resolve se voluntariar e ir aos Jogos em seu lugar.

O livro é fantástico. Daquele tipo que fica impossível de largar e que, para mim, era totalmente imprevisível e nem as partes que tinham tudo para ser super chatas me decepcionaram.

Quando fui assistir ao filme, obviamente tive expectativas gigantescas, principalmente depois de ter assistido a diversas adaptações muito fieis.
Meu desconforto chegou logo no início: a história por trás do broche do tordo da Katniss é completamente diferente do livro. Óbvio que em adaptações diversos detalhes são alterados - mas, para mim, a história do broche no livro tinha um significado especial, um apoio de todo distrito 12 à ela, e isso foi perdido no filme.

As partes do trem até a Capital me entediaram bastante. Mas, gente! Era difícil até respirar durante as cenas na arena. Foi tudo realmente muito bem produzido e gravado, e minha cena favorita foi a dos delírios da Katniss após o veneno das teleguiadas.

Um ponto que considerei ótimo no filme foram as cenas dos Idealizadores dos Jogos armando arapucas e armadilhas, comentando sobre os tributos, tudo nos bastidores - coisa que definitivamente não acontecia no livro, já que ele é narrado em primeira pessoa pela Katniss e só temos sua visão sobre a história.

O final foi algo bastante comercial, pra deixar aquela super vontade de saber o que acontece no próximo filme! Isso também acontece no livro, claro, mas de uma forma bem mais forte, e eu particularmente prefiro esse final do livro.

(trailer legendado)

E você, já assistiu Jogos Vorazes?! Não deixe de comentar suas impressões sobre o filme!


25 de setembro de 2014

[Resenha] Pó de Lua - Clarice Freire

Pra diminuir a gravidade das coisas!


Quando a editora Intrínseca anunciou a chegada do Pó de Lua, confesso que não fiquei tão animada. Gosto de histórias, de tramas, e não estava no momento para um livro de poesias. Porém, visitando a Bienal e tendo meu primeiro contato com a edição maravilhosa do livro, foi impossível não me apaixonar!

O Pó de Lua de Clarice Freire surgiu como uma página no facebook, que aos poucos foi ganhando visibilidade e o coração de diversas pessoas - inclusive famosas. As frases de efeito com a caligrafia inconfundível de Clarice acompanhadas dos desenhos quase que infantis de tão ternos já haviam aparecido na minha timeline muitas vezes, mas nunca me liguei que eram todas da mesma pessoa!

O livro reflete perfeitamente a energia dos poemas e frases, a começar pela edição impecável: como se imitasse um moleskine, com a lateral das páginas pintadas de azul-céu, eu senti até pena de abri-lo quando chegou na minha casa. Tomei o maior cuidado do mundo para lê-lo, como se fosse realmente um tesouro vindo da lua. 

O livro é dividido em quatro partes, cada uma delas representando uma fase diferente da lua. As páginas são repletas de desenhos, alguns em página única, outros tomando duas páginas sem perder a graça. A editora caprichou na impressão: todos os desenhos e escritos parecem ter sido feitos diretamente no livro!

Não sou de fazer resenhas com muitas fotos, mas dessa vez vou deixar as imagens falarem por mim:







As imagens obviamente não conseguem transmitir a delicadeza dessas páginas, mas espero ter deixado um gostinho de quero mais em todos vocês! Vale a pena adquirir um exemplar. Não consigo passar por ele na minha estante sem abri-lo em uma página aleatória e receber minha dose diária de poesia.

Infos:
 Título Original: Pó de Lua
Autora: FREIRE, Clarice
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580575705
201 páginas.
                                                    Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

19 de setembro de 2014

[Postagem Coletiva] A Culpa na Literatura

Olá amigos!
Como forma de divulgação do próximo lançamento da nossa editora parceira LeYa, recebemos a proposta de tratar sobre um tema um tanto quanto desconfortável, mas que rende ótimas histórias: a culpa.



Não só na literatura, como também em filmes e séries, há um leque de opções bastante extenso sobre o tema, tratando-o de diversas formas. Aqui mesmo no blog alguns livros já foram resenhados, como O Segredo do meu Marido e A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert.
A culpa é bastante abordada em livros policiais e de suspense - quem, afinal, é o culpado pelo crime em questão?! - mas não deixa de ganhar destaque em outros gêneros.

O livro da vez é Willow!

Sete meses atrás, em uma noite chuvosa de março, os pais de Willow acabaram bebendo muito durante o jantar e pediram a ela que guiasse o carro até em casa. Por uma fatalidade, Willow perdeu o controle do veículo e seus pais morreram no acidente. Consumida pela culpa, Willow deixa para trás sua casa, amigos e escola e, enquanto tenta retomar a relação de afeto e companheirismo com o irmão mais velho, secretamente bloqueia a dor da perda cortando a si mesma. Mas quando Willow encontra Guy, um rapaz tão sensível e complexo quanto ela, mudanças intensas começam a acontecer, virando seu mundo de cabeça para baixo. Contado de modo cativante e doce, Willow é um romance inesquecível sobre a luta de uma jovem para lidar com a tragédia familiar e com o medo de se deixar viver uma linda história de amor e cumplicidade.

Eu já recebi meu exemplar da editora LeYa e em breve vocês verão a resenha aqui no blog! Estou muito ansiosa para conhecer o desfecho dessa história que, convenhamos, trata da culpa de uma forma bastante diferente do que a convencional. Se você também se interessou pela história tanto quanto eu, já pode adquirir o seu pela pré-venda nesse link

E por fim, um pequeno top 5 com livros e filmes que tratam da culpa de formas diferentes e incríveis:
  • Precisamos falar sobre Kevin;
  • Apenas o Fim;
  • O Maravilhoso Agora;
  • Claros Sinais de Loucura;
  • Extremamente Alto & Incrivelmente Perto.
Não deixe de comentar quais livros ou filmes sobre a temática você mais gostou e não deixe de acompanhar o blog nas redes sociais: Facebook | Twitter | Loja Online




11 de setembro de 2014

[Resenha] Em Casa com Nabokov - Leslie Daniels

Eu soube que poderia ficar nessa cidade quando encontrei a panela azul esmaltada flutuando no lago. A panela me levou à casa, a casa me levou ao livro, o livro me levou ao advogado, o advogado me levou ao bordel, o bordel me levou à ciência e, a partir da ciência, eu ingressei no mundo.


Há anos não pegava um chick-lit pra ler. Quando finalmente encontrei o meu lugar na literatura, acabei esquecendo um pouco desse gênero, mas convenhamos: é sempre uma delícia de ser lido! Com Em Casa com Nabokov não poderia ser diferente.

Barb Barret está perto dos 40 anos e se vê sozinha no mundo: saindo de um casamento abusivo e autoritário, foi acusada de sequestrar seus dois filhos ao levá-los para acampar, perdendo a guarda de ambos. Além disso, perdeu seu emprego, sua casa, e as únicas coisas que lhe restaram foram as memórias de seu pai e primo (ambos já falecidos) e um carro caindo aos pedaços.

Tentando reconstruir sua vida em uma cidadezinha onde todos parecem aceitar sua vida da forma como ela é, Barb consegue um emprego como correspondente em uma fábrica de laticínios e consegue alugar uma velha casa onde todos dizem ter vivido o famoso escritor Vladmir Nabokov, autor do polêmico romance Lolita.

Um dia, arrumando o quarto em que sua filha passaria os finais de semana, Barb encontra uma série de cartões manuscritos. Ao colocá-los em ordem, descobre ser uma que integra baseball e romance e, ao que tudo indica, foi escrito pelo próprio Nabokov.

A partir daí, a protagonista vive o impasse: levar a público a existência dos manuscritos, mesmo sem ter total certeza de que foram escritos pelo autor? Publica-lo como se fossem de sua própria autoria? Esquecê-lo na lata de lixo mais próxima? Assim ela conhece Margie, a (talvez) unica editora de livros das redondezas e que a tira da solidão que vivia até então.

O início do livro, confesso, é bastante tedioso. Talvez por estar acostumada à escrita da Marian Keyes (minha musa do chick-lit), onde tudo é mais dinâmico, achei o começo parado e chato. Toda aquela solidão, todos aqueles capítulos em que tudo que a protagonista faz é remoer o seu passado...

A história fica bastante interessante quando, observando os hábitos das mulheres da cidade, Barb tem a brilhante ideia de abrir um negócio exclusivo na cidade: um bordel feminino. Não me prolongarei no assunto, mas a partir desse momento a história até se torna bastante interessante.

O ponto que quero destacar é a falta de um clímax na história. Apenas de ter citado o bordel, durante a escrita da autora ele não teve um tom de clímax. Inclusive, tudo na história parece ser somente coisas da vida acontecendo sem nenhuma importancia, e isso me incomodou um pouco. A temática tinha tudo para ser explorada de uma maneira ótima, mas não foi.

Apesar disso, é um bom livro para ser lido sem expectativas (tanto boas, quanto ruins), e é possível tirar ótimas lições dele.
Infos:
Título Original: Cleaning Nabokov's House
Autora: DANIELS, Leslie
Editora: LeYa
ISBN: 9788580441079
320 páginas

Livro cedido para resenha pela editora

1 de setembro de 2014

[Lançamentos Intrínseca] Agosto

Oie!
Agosto terminou oficialmente ontem (ufa!) e nada melhor do que conhecer os livros mais legais que nossa editora parceira liberou para o mercado nesse mês que passou. Separei os que mais me chamaram atenção, e se você quiser conhecer os outros, dá uma passada lá no site da editora.



Pó de Lua - Clarice Freire
Em 2011, discretamente, a publicitária Clarice Freire criou no Facebook uma página para reunir seus escritos e desenhos. Batizou-a como Pó de Lua, sua receita infalível “para diminuir a gravidade das coisas”. Desde então, ela vem conquistando uma legião de fãs fiéis e engajados, que se encantaram com a delicadeza de seus pensamentos, seu humor sutil e o traço des-pretensioso, que combina desenho e até fragmentos de palavras. diferente. Pó de Lua, o livro, tem o formato de um dos cadernos moleskine em que Clarice exercita sua criatividade. Inspirada pelas quatro fases da lua – minguante, nova, crescente e cheia –, ela trata em frases concisas e certeiras de sentimentos como a saudade, o medo, a paixão e a alegria, sempre em sua caligrafia característica, repleta de belos desenhos.
Adorei a proposta do Pó de Lua! Passando pela Bienal, o vi de longe no estande da editora e é uma gracinha. Em breve será resenhado aqui o blog.


Termine Este Livro - Keri Smith
Keri Smith, autora de Destrua este diário, estava passeando por um parque quando encontrou um livro de conteúdo profundamente misterioso. As páginas, soltas e embaralhadas pelo vento, pareciam incompletas, e a capa, quase ilegível, exibia as palavras Manual de instruções. Diante desse material curioso, ela decidiu transferir para outra pessoa o desafio de decifrar o que há por trás dessa história estranha. E é você, leitor, quem tem a missão de completar o conteúdo da obra desconhecida. Mais que um meio de estimular a imaginação, Termine este livro é uma reflexão delicada sobre a interação entre o leitor e a obra e como as leituras se entrelaçam com nossas vidas.
Como não amar Keri Smith?! Adquiri o Destrua este diário há um tempo e fiquei encantada com a criatividade e originalidade a autora. Dia desses tive a experiência de ver um pouquinho desse novo livro pessoalmente, e pra quem já gostou do anterior será impossível não se apaixonar! 
(aproveitando o espaço, a editora também lançou nesse mês três capas diferentes do Destrua esse diário!)


Uma Constelação de Fenômenos Vitais - Anthony Marra
Em uma vila na Chechênia, Havaa, de 8 anos, observa seu pai ser levado no meio da noite por soldados russos que o acusam de colaborar com rebeldes chechenos. Do outro lado da rua, Akhmed, um amigo da família, vê a cena e teme pelo pior quando os soldados ateiam fogo à casa da menina. Ao encontrar Havaa escondida na floresta, Akhmed decide buscar refúgio num hospital abandonado onde a única médica remanescente, Sonja, trata os feridos — uma decisão que irá mudar a vida dos três para sempre.
Para a talentosa e determinada Sonja, a chegada de Akhmed e Havaa não passa de uma surpresa inoportuna. Exausta e sobrecarregada, ela não deseja assumir ainda mais responsabilidades nem correr mais riscos. E há uma razão para sua cautela: abrigar aqueles refugiados pode ameaçar a busca por sua irmã desaparecida. Em cinco dias, porém, o mundo de Sonja será virado de cabeça para baixo e as complexas conexões entre esses companheiros improváveis serão reveladas.
Confesso que o que mais me chamou atenção nessa obra foram o título e a capa! Ambos maravilhosos. A história não é das minhas favoritas, mas me senti bastante curiosa e, quem sabe, não seja minha próxima aquisição?!


E vocês, têm algum preferido dentre os lançamentos de Agosto da editora?! Não deixem de comentar e me contar qual gostariam de ver resenhado aqui no Poesia Destilada.