29 de julho de 2014

[SORTEIO] 2 anos do blog Doce Ilusão!


Oi gente!
O blog Doce Ilusão, parceiro da nossa loja online (oi? ainda não conhece? http://poesiadestilada.tanlup.com) está completando dois anos!
E pra comemorar, tá rolando um sorteio muito bacana. Além de poder faturar vários livros que vocês já viram por aqui, também têm a chance de ganhar uma camiseta exclusiva de lá da nossa loja online!

- kit fantasia:
 a Rafflecopter giveaway


- kit ficção:
 a Rafflecopter giveaway


- camiseta:
a Rafflecopter giveaway




Regras gerais:
#1 Residir em território brasileiro;
#2 Preencher o formulário do Rafflecopter;
#3 O sorteio vai de 27 de julho à 24 de agosto;
#4 O ganhador terá 72 horas para responder ao email. Caso contrário será realizado um novo sorteio;
#5 O envio dos prêmios é de responsabilidade do blog que foi por ele disponibilizado, não tendo qualquer responsabilidade por extravio ou perda por parte dos Correios;
#6 O concurso é recreativo, não estando vinculado a marcas, compras e vendas de serviços;
#7 Regras sujeitas a alterações sem aviso prévio;
#8 Dúvidas? Mande para contato@doceilusao.com

25 de julho de 2014

[Resenha] Passarinho - Crystal Chan

"Eu poderia chegar ao penhasco de olhos fechados, como se tivesse uma linha invisível presa ao meu coração, esticada, puxando-me pela estrada e pelos campos, diretamente para a montanha. Foi então que percebi que, de muitas formas, os lugares são como as pessoas: pensam nas pessoas queridas quando estão longe, esperam elas voltarem e ficam felizes quando isso acontece."

Esse livro foi uma das grandes surpresas pra mim esse ano. No começo não sabia nem o que esperar dele, confesso que escolhi entre os lançamentos da editora parceira por exclusão de temas que não me agradavam, mas agradeço por isso.

Em Passarinho, somos apresentados à história de Jóia Campbell. 
Jóia nasceu no mesmo dia em que seu irmão John - ou Passarinho, como fora apelidado por seu avô - se jogou de um penhasco. O garoto tinha apenas 5 anos, e acreditava que um dia poderia voar. Como se não bastasse isso, desde então seu avô não pronuncia uma palavra se quer.

Tudo isso aconteceu há 12 anos, e hoje, Jóia sente-se mal sempre que se aniversário chega. Consegue ver nos olhos da mãe a tristeza pelo aniversário da morte de Passarinho, e isso confunde os sentimentos da menina.
Jóia tem uma relação muito forte com a natureza, pretende ser geóloga e quando não está subindo em alguma árvore, contraria a vontade de seus pais e vai até o penhasco de onde seu irmão pulou. Lá, a menina enterra pedrinhas como se enterrasse pensamentos e frustrações, e constrói um círculo com pedras que representam cada ano de sua vida. 

Um dia, enquanto observava a cidade de cima de uma árvore, ela conhece John.
John quer ser astronauta, e está passando as férias na casa de seu tio, na cidade de Jóia. O menino foi adotado quando criança e nada sabe da vida dos seus pais biológicos, mas recompensa isso estudando tudo sobre o universo e ensinando à Jóia. Ele a leva para conhecer a Horizonte de Eventos - uma árvore centenária oca onde ele se abriga para observar o céu. O nome é uma referência direta à barreira imaginária que delimita o ponto onde tudo é sugado por um buraco negro, também chamado de ponto sem volta.

Descendentes de jamaicanos, o pai e o avô de Jóia são extremamente supersticiosos e acreditam nos chamados duppies, espíritos malignos vindos da jamaica. O avô da garota, além de atribuir a morte de Passarinho a um duppy, acredita que John (por ter o mesmo nome do falecido Passarinho) também é um deles, e o recepciona da pior forma possível. Já o pai tem certeza que a culpa pela morte do garotinho é toda do avô, a pessoa quem o apelidou de Passarinho e o fez acreditar que poderia voar.

Gente, esse livro é incrível.
A relação de Jóia com a natureza é fantástica. Ela acredita que todos os lugares são especiais, e que até mesmo os rochedos conseguem entrar em contato conosco e com nossos sentimentos. Ela sente a energia dos lugares, e o penhasco é um dos lugares mais especiais para ela, sem nem ao certo saber o porquê.
Jóia é, de longe, uma das personagens mais legais que conheci.

John - ou Eugene, e vocês entenderão o porquê disso quando lerem o livro - não fica atrás! No começo misterioso, o personagem foi ganhando meu coração aos poucos. Ele é extremamente inteligente, e nos presenteia com incríveis explicações sobre o universo, como é o caso das estrelas que fazem parte de um sistema binário fechado (que conceito incrível!).

Alguns pontos do livro são bem pesados, principalmente no que diz respeito à familia de Jóia. o Avô não fala, e isso deixa a menina extremamente frustrada por não ter conhecido como seu avô era antes de Passarinho. Somado a isso, as constantes brigas de seus pais e a sensação de não ser desejada, levam a protagonista ao desespero, e é impossível não torcer para que ela tome a melhor decisão possível.

Pra quem gosta de passagens e quotes poéticos e profundos, o livro é um prato cheio. Só de marcações com post-its, contei 15, isso sem contar as grifadas com marca texto de pequenas frases.
Também me chamou bastante atenção a forma como a autora buscou resgatar tradições da cultura jamaicana, além dos duppies. Com certeza foi feito um trabalho de pesquisa extenso, e isso conta muitos pontos para mim!

Notei muitas semelhanças entre Jóia e a protagonista de Claros Sinais de Loucura (resenhado aqui), Sarah Nelson. Até mesmo a história e as aflições das duas são parecidas, sem contar a inteligencia! Elas com certeza seriam boas amigas.

Passarinho é um livro que você tem que ler e refletir muito sobre nossa relação com o divino (seja ele Deus, a natureza, o cosmos, energias...)
Infos:
Título Original: Bird
Autora: CHAN, Crystal
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580575354
222 páginas
Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

21 de julho de 2014

[Lançamentos Intrínseca] Julho

Oi gente!
Julho é mês de férias, e nada melhor do que renovar a lista de leitura e se jogar nos livros, né? Hoje trago para vocês, três lançamentos do mês da editora Intrínseca, parceira aqui do blog.

A Verdade Sobre Nós - Amanda Grace
Madelyn Hawkins está cansada. Cansada de ser sempre perfeita. Cansada de tirar A em tudo. Cansada de seguir à risca os planos que os pais fizeram para ela. Madelyn Hawkins está cansada de ser algo que não é, algo que não quer ser. E então ela conhece Bennet Cartwright. Inteligente, sensível, engraçado. A seu lado, ela se sente livre e independente. Uma história que poderia muito bem ter um final feliz, não fosse por um detalhe: Maddie tem apenas 16 anos, e Bennet, além de ter 25 anos, é seu professor.
Pressionada pelos pais a participar de um programa para jovens talentos, Maddie pula dois anos do Ensino Médio e vai direto para a faculdade, onde conhece e se apaixona pelo professor de biologia. O sentimento é recíproco, e para dar uma chance àquele novo relacionamento que lhe faz tão bem, ela decide não contar para Bennet sua idade. Não demora muito para que as coisas comecem a dar errado, e as consequências da farsa de Maddie ganham contornos devastadores quando a verdade vem à tona.
Aparentemente achei o enredo bem raso, acho que me desacostumei a ler romances. Pelo que li, a história toda é narrada como uma carta a Bennet, meio que uma declaração de amor. Vou buscar mais resenhas sobre ele e decido que entrará pra minha lista de leitura! 

Ele Está de Volta - Timur Vermes
Berlim, 2011. Adolf Hitler acorda num terreno baldio. Vivo.
As coisas mudaram: não há mais Eva Braun, nem partido nazista, nem guerra. Hitler mal pode identificar sua amada pátria, infestada de imigrantes e governada por uma mulher. As pessoas, claro, o reconhecem — como um imitador talentoso que se recusa a sair do personagem. Até que o impensável acontece: o discurso de Hitler torna-se um viral, um campeão de audiência no YouTube, ele ganha o próprio programa de televisão e todos querem ouvi-lo. Tudo isso enquanto tenta convencer as pessoas de que sim, ele é realmente quem diz ser, e, sim, ele quer mesmo dizer o que está dizendo.
Ele está de volta é uma sátira mordaz sobre a sociedade contemporânea governada pela mídia. Uma história bizarramente inteligente, bizarramente engraçada e bizarramente plausível contada pela perspectiva de um personagem repulsivo, carismático e até mesmo ridículo, mas indiscutivelmente marcante.
Eu sinceramente não sei o que pensar desse livro. A premissa é legal, imagino, o autor foi bastante criativo ao pensar no enredo. Mas... né? Estamos falando sobre Hitler, e apesar de tudo ser uma sátira, é meio difícil esquecer os horrores do holocausto nazista e a leitura pode ser bem desconfortável para quem teve parentes envolvidos ou algo parecido, mas não posso negar que fiquei bastante curiosa pelo desfecho! 

Semideuses e Monstros - Rick Riordan
A série Percy Jackson e os olimpianos conquistou milhões de fãs mundo afora. E engana-se quem pensa que só crianças e adolescentes foram inspirados pelos livros de Rick Riordan. Muitos adultos também se encantaram pelas aventuras, conflitos e angústias de Percy e seus amigos. Prova disso é Semideuses e monstros, uma coletânea de ensaios que explora o universo da série com humor, leveza e boas doses de mitologia e história.
Com prefácio do próprio Riordan, que também participou da edição e organização dos textos originais, Semideuses e monstros vai levar o leitor a descobrir como reconhecer monstros que espreitam ao nosso redor, quais são as dores e as delícias de ser uma Caçadora de Ártemis, qual deus do Olimpo se sairia melhor no papel de pai e, mais importante: verá que os deuses gregos, assim como nós, são repletos de falhas e imperfeições — o que os torna ainda mais irresistíveis.
Eu nunca li a série Percy Jackson, nem assisti os filmes, nem li nada do autor (ok, me julguem), mas é realmente um tipo de leitura que não me atrai muito. O livro é interessante por se aprofundar na mitologia grega, que é fantástica, e tudo de uma forma bem leve e descontraída. Acho que esse livro em especial vai ser muito bem aceito, principalmente entre aqueles que sentem saudades da série.


Não esqueçam de comentar qual deles vocês gostariam de ver resenhado aqui no blog!

20 de julho de 2014

Grandes amizades literárias + desconto na loja online!

Oi gente!
Pra quem não sabe, hoje - 20 de Julho -, é o dia do amigo!
Pensando nisso preparei um top 5 de livros que tratam de grandes amizades.

1. Cidades de Papel - John Green
Esse foi um dos primeiros livros resenhados aqui no blog!
Em Cidades de Papel, após o sumiço misterioso de Margo, Quentin resolve investigar por conta própria. Mas obviamente ele não faz isso sozinho, e conta com a ajuda de amigos super especiais que embarcam nessa jornada com ele, fugindo até da formatura para ir atrás da garota.
Sabe qual é seu problema, Quentin? Você espera que as pessoas não sejam elas mesmas. Quer dizer, eu podia odiar você por ser tão pouco pontual ou por nunca se interessar por nada que não seja Margo Roth Spiegelman e por, tipo, nunca me perguntar como estão indo as coisas com minha namorada... Mas eu não ligo, cara, porque você é você. 
Eu senti uma carga emocional e uma amizade muito linda nesse livro! É incrível imaginar que existem amigos que realmente estão conosco pra tudo, e esse livro retrata perfeitamente esse tipo de amizade, que pra mim, foi o ponto forte do livro.

2. Will & Will - John Green e David Levithan
Nunca resenhei esse aqui no blog, mas pretendo fazê-lo assim que me aventurar nessa releitura.
Como o nome já sugere, a história trata de dois caras que têm o mesmo nome: Will Grayson. O destino dá um jeitinho de juntar eles dois, que apesar de completamente diferentes, acabam criando um forte laço de amizade.
Mas com amigos, não tem nada assim. Estar em um relacionamento, isso é algo que você escolhe. Ser amigo, isso é simplesmente algo que você é.
Cada Will é criado por um dos autores, e no final a demonstração de afeto e amizade fica por conta da grande surpresa que um dos Will's prepara para o oooutro, que sempre sonhou em fazer um musical.
Ps.: um livro contando tudinho sobre esse musical será lançado em breve! Escrito por David Levithan.

3. A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert - Joël Dicker
Esse foi um dos melhores livros que já li, e você pode conferir a resenha aqui!
Em A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, Marcus é um escritor em processo de bloqueio criativo. Em busca de inspiração, parte para Aurora abrigar-se na casa de seu tutor, Harry Quebert, mas se depara com uma surpresa: Harry está sendo acusado de matar Nola Kellergan.
Esperar que um dia as coisas melhorem: talvez isso seja amor.
A partir disso, Marcus faz absolutamente tudo o que pode para provar ao mundo que seu melhor amigo é inocente. Desde se infiltrar nas investigações, até escrever um livro contando a verdade sobre o que aconteceu à Nola, nunca houve dúvidas de que Harry era inocente.

4. As Vantagens de Ser Invisível - Stephen Chbosky
Sou completamente suspeita pra falar desse livro - é o meu preferido, e eu fiz uma tatuagem completamente baseada nele.
A história é toda baseada no efeito que algumas amizades têm em nossa vida: Charlie tornou-se solitário depois do suicídio de seu único amigo, e agora está prestes a começar o ensino médio em uma nova escola. Apesar de todos os medos e inseguranças, encontra nos irmãos Sam e Patrick um porto seguro, e consegue se reerguer graças à força dessa amizade.
Quando chegamos ao fim do túnel, Sam deu um grito muito divertido, e foi isso. Chegamos ao centro. As luzes nos prédios e todo o resto eram maravilhosos. Sam se sentou e começou a rir. Patrick também riu. Eu comecei a rir. E naquele momento eu seria capaz de jurar que éramos infinitos.
Fico arrepiada só de lembrar desse livro! Sou muito boba, podem falar haha

5.  Ponyo: Uma amizade que veio do mar - Hayao Miyazaki
Ponyo não é um livro, mas uma animação japonesa muuuito fofinha e merece um lugar nesse top 5!
Sosuke é um menino de só 5 anos de idade que um dia conhece a peixinho-dourado Ponyo. Ela vivia no oceano, mas a amizade dos dois se torna tão forte, que Ponyo dá um jeito de se tornar humana só pra poder viver junto ao garotinho! Isso obviamente provoca a fúria de seu pai, que ainda vive no mar, mas nada disso consegue separá-los.



E pra comemorar o dia do Amigo junto com meus leitores... Vai ter desconto na nossa loja online!!!

É só usar o código 20J07 que você automaticamente ganha 5% de desconto em qualquer produto, no valor total da compra. A validade do código é até o final do mês de Julho, então corram! http://poesiadestilada.tanlup.com/

18 de julho de 2014

[Resenha] Métrica - Colleen Hoover

É incrível o tanto de lágrimas que uma pessoa só é capaz de produzir. Na noite após a morte do meu pai, chorei tanto que comecei a ficar paranoica achando que aquilo estava fazendo mal aos meus olhos, então fiz uma busca no Google. Pesquisei "uma pessoa pode chorar demais?"


Li muitas críticas positivas sobre os livros da Colleen Hoover, principalmente sobre Métrica. Não via a hora de ler algo da autora, e na primeira oportunidade (lê-se: promoção no Submarino), adquiri os dois primeiros livros da autora: Métrica, e sua continuação, Pausa. Hoje vou falar um pouquinho sobre o primeiro.

Em Métrica, conhecemos Layken (ou Lake, como sua mãe costuma chamá-la) - uma garota de 17 anos que acaba de perder seu pai de uma maneira repentina e dolorosa. Após tentar reconstruir sua vida com sua mãe e irmão mais novo, chegou o momento de mudar de cidade. Segundo sua mãe, o dinheiro não dá mais pra se sustentar naquela cidade, e a família parte rumo à Michigan.

Logo que se estabelecem na nova casa, Lake conhece Will - seu vizinho da frente, irmão mais velho do novo-melhor-amigo de seu irmãozinho Kel. Will é bastante simpático e acolhedor com a família, ajudando-os com a mudança e mostrando alguns pontos específicos da cidade, como o supermercado. Lake e ele logo se tornam amigos bem próximos, mas fica quase impossível pra ela não reparar em quão bonito e sedutor é o rapaz. Além disso, por conta da sua fragilidade emocional e estado de luto pela perda do pai, aos poucos Lake vai criando laços sentimentais muito fortes com ele.

Um dia, Will leva Lake para conhecer uma competição de Slam - uma espécie de apresentação de poesias performáticas. A competição é cheia de regras, possui jurados, e as pessoas que participam a levam muito a sério. Will hesita, mas Lake o convence a se apresentar também, e a poesia em questão diz tudo sobre o passado do rapaz: depois da morte de seus pais em um acidente, Will se torna o tutor de seu irmão mais novo Caulder e a pessoa mais próxima de uma família que o garotinho tem, cuidando dele completamente sozinho e cheio de responsabilidades.

O relacionamento dos dois vai se tornando cada vez mais profundo, e até a mãe de Lake passa a suspeitar de que algo está acontecendo. Depois de passar as férias entre passeios, beijos e poesia, chegou a hora de voltar às aulas. Ao chegar a sua aula de literatura inglesa, a surpresa: Will está na mesma sala que Lake, mas não como aluno e sim, professor, o que os obriga a se afastarem.

A partir desse problema o drama gira em torno de como a personagem principal lida com esse "amor proibido". Na cabeça dela, o melhor seria se afastar completamente, mas como? Will era seu vizinho, professor, pai-irmão do melhor amigo do seu irmão mais novo e extremamente gentil com sua família.
A princípio achei forçado - era drama demais pra um amor de menos de um mês - mas depois comecei a refletir sobe o quão frágil Lake estava naquele momento e o quanto um apoio seria importante pra ela, que sem sombra de dúvidas acabaria se apaixonando no final.

Até aí ok, a coisa fica dramática mesmo quando Layken descobre o real motivo da mudança de cidade.
Você sente o chão desabar junto com a personagem. Vive junto com ela todas as fases do luto - a negação, a raiva, a tristeza. A partir desse momento o livro se torna bem forte, e é impossível não se sentir triste junto.

O livro é bastante poético, já que muitas cenas se passam na competição de slam, que se torna uma atividade extra-classe da aula de literatura. Só achei que as poesias não deveriam ser traduzidas na íntegra, já que perdeu muita carga poética, e muitas vezes deixou a história sem sentido, como quando Will recita um poema sobre lagos e Lake automaticamente entra em surto constatando que ele a ama; tudo porque lake em inglês significa lago. 

Cada capitulo é narrado em primeira pessoa por Layken e tem o nome/inicia com um trecho de música de uma banda chamada Avett Brothers. Confesso que não a conhecia e até cheguei a achar que era uma banda fictícia, mas dei um google e descobri que é real! Os trechos são bem bonitos, e escritos em inglês com a tradução em português no rodapé da página (como eu acharia melhor a tradução das poesias).

You can't be like me/But be happy that you can't/I see pain but I don't feel it./I am like the old Tin Man. (Avett Brothers)

O livro é realmente muito bonito e recomendo! Já estou lendo Pausa e logo logo a resenha dele estará no blog. Essa semana a editora anunciou que pro segundo semestre já podemos esperar a tradução do último livro da trilogia!

Infos:
Título Original: Slammed
Autora: HOOVER, Colleen
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501401861
300 páginas

14 de julho de 2014

Loja online no ar!!!

Oi gente!
Finalmente venho trazer essa notícia tão maravilhosa: nossa loja online já está no ar!


A princípio estou trabalhando com camisetas e alguns artesanatos, mas em breve chegarão os marcadores de páginas e outros mimos :3

Tô bastante feliz com o resultado e espero que vocês gostem!
Tenho 15 opções de estampas diferentes, mas todos os dias estou criando coisa nova e disponibilizando na loja ou na página do facebook. Se você não encontrou uma estampa que queria, pode me mandar uma sugestão por inbox ou mesmo encomendar sua estampa do jeito que quiser!

E é claro que eu não conseguiria isso sozinha. Para completar essa nova fase no blog, convidei alguns blogs que têm a cara da loja para me ajudar! Eles serão meus parceiros e experimentarão algumas novidades antes que todo mundo pra contar o que acharam. Os blogs parceiros são:


Ali em cima no menu, na aba loja, vocês podem conferir algumas fotos das camisetas, e sempre que rolar algo novo avisarei aqui e lá no facebook!

O link da loja é http://poesiadestilada.tanlup.com/ , sejam muito bem-vindos!!!


11 de julho de 2014

[Resenha] Contos da Seleção: O Príncipe & O Guarda - Kiera Cass

Olhei novamente para a pilha. Todos os detalhes essenciais estavam ali. Ainda assim, eu sabia que o formulário não dizia o que as fazia rir ou pôr pra fora seus segredos mais obscuros. Ali estava uma compilação de atributos, não de pessoas. (O Príncipe)

Pode conter spoilers dos livros da Trilogia Seleção.

Oi gente!

Pra ter um gostinho a mais da trilogia Seleção, que terminou no livro A Escolha, resolvi ler os dois contos extras publicados pela Kiera Cass: O Príncipe e O Guarda.
Eles foram publicados em momentos diferentes, a princípio somente no formato e-book e em inglês. Mais tarde, um livro reuniu os dois contos + o primeiro capítulo do último livro.

O primeiro conto, O Príncipe, narra a uma parte da história pela percepção de Maxon.
Toda a história se passa nos momentos antes de a Seleção começar e nos primeiros dias das garotas do palácio. Conhecemos como era a vida de Maxon antes da Seleção, seus medos e inseguranças a respeito dessa escolha e como era sua relação com seus pais.
Gostei bastante desse conto por humanizar mais o personagem, trazendo o leitor pra mais perto da família real. Como o pano de fundo da história é antes da Seleção, e o conto foi publicado depois do primeiro livro, e antes do segundo, algumas facetas dos personagens já eram conhecidas - como, por exemplo, a brutalidade do rei. O que me surpreendeu mesmo foi conhecer um pouco mais da rainha Amberly, extremamente carinhosa e cuidadosa com Maxon, deu até uma tristezinha por já saber o final da trilogia (e com isso, o futuro dela, ops).

Também achei interessante conhecer "a outra" garota na vida de Maxon - a princesa da França, já citada em algum momento da trilogia. Ela foi perdidamente apaixonada pelo príncipe, e jurava ser correspondida. Já ele, não fazia ideia dos sentimentos da garota e, infelizmente, acabou partindo seu coração.
Achei essa passagem bem importante por trazer à tona os pensamentos de Maxon, principalmente o medo que ele sentia em saber que, querendo ou não, acabaria partindo mais corações quando a Seleção terminasse.

O conto é muito bom, e me senti bem próxima dos personagens e com saudades da trilogia.

O segundo conto, O Guarda, parte do momento - no segundo livro, A Elite -, em que Marlee e um outro guarda do palácio são pegos se beijando e são expulsos do palácio, além de serem açoitados em público, tudo pela visão de Aspen.

Não sei porque, mas achei esse conto bastante fraco. Ele mostra os encontros entre ele e America, que passaram a ser mais escassos depois do episódio com Marlee, até o momento em que os rebeldes invadem o palácio pela segunda vez no livro e America se perde na floresta.
Senti até um pouquinho de raiva - Aspen interpretava todos os movimentos de America em seu favor, e continua alimentando de forma doentia o amor que os dois nutriram no passado. O conto foi lançado depois de A Elite, e antes de A Escolha, então muita gente já tinha sacado o desenrolar da história, o que acabou sendo maçante. Talvez algumas pessoas tenham sentido pena de Aspen (se você foi uma dessas pessoas, me explica como!) mas eu só senti um roinnnnccccc - sono.

O livro é bem bacana - mais pelo reencontro com a trilogia do que pelas histórias -, mas acredito que não vale a pena compra-lo só pelas histórias. Os contos têm cerca de 50 páginas cada, e adquirindo o livro você ganha mais umas 50 páginas (estimando, já que sou péssima em números) com os primeiros capítulos de A Escolha. Eu, particularmente, preferi ler os contos separados. Vasculhando na internet, descobri que tem coisas bem bacanas no livro, como entrevista com a autora e a playlist oficinal dos dois primeiros livros. Como li os contos separadamente, não tive acesso à esse material, mas confesso que fiquei bastante curiosa. Mas como já citei, se o seu interesse são só os contos, a editora disponibilizou ambos gratuitamente no formato e-book.

É uma boa pedida pra quem sente aquela saudadezinha dos personagens e da trama, principalmente pelo conto O Príncipe, já que O Guarda foca demais em Aspen e America e acaba se tornando maçante.

Em tempo: Kiera Cass já anunciou um terceiro conto - A Rainha -, com a visão de Amberly sobre os fatos. Pelo que entendi, já está em pré-venda nos Estados Unidos, mas nem previsão de tradução brasileira ainda :(

Infos:
Títulos Original: The selection stories: The Prince and The guard
Autora: CASS, Kiera
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765329
288 páginas.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

9 de julho de 2014

Projeto Jornalista: o antes

Oi gente!
Resolvi escrever uma série de postagens sobre meu primeiro semestre na faculdade.
Antes de começar o curso, quando ainda estava no ensino médio, procurava na internet textos, relatos, vídeos, qualquer coisa que me ajudasse e me mostrasse se estava no caminho certo. Encontrei pouca coisa, acabei indo na cara e na coragem, e foi por isso que decidi fazer essa postagem. Espero que ajude as pessoas que querem seguir a mesma carreira!

Antes de tudo, quero contextualizar os meus anos pré-vestibular.
Descobri que queria ser jornalista aos 15 anos, quando terminava o ensino fundamental. Uma emissora de TV do interior de São Paulo promove todos os anos um concurso de redação dentre os alunos do último ano do ensino fundamental, e minha redação foi uma das selecionadas. Com isso, fui convidada junto com outros alunos de outras escolas, a conhecer os estúdios da emissora. 
Como lá é só uma filiada da Rede Globo, não acontecem gravações de novelas e coisas do tipo, mas sim, dos telejornais. Fiquei realmente encantada com tudo aquilo, até assistimos à gravação de uma chamada do jornal do meio dia.
Além disso, lá funciona a redação de uma revista voltada à natureza, e esse foi um dos pontos que mais me chamaram atenção. Os repórteres nos explicaram como era o dia-a-dia da redação (tanto do telejornal, como da revista), como aconteciam as gravações e a preparação das reportagens, conhecemos os equipamentos e alguns termos técnicos. Saí de lá completamente apaixonada!


(a cara de criança não muda nem depois de 5 anos!)

Isso aconteceu em 2009, e a vontade de cursar jornalismo ficou latente em mim por bastante tempo. 
Mais pra frente, no ensino médio, estudamos o jornal impresso em uma matéria voltada à comunicação e informação. Aprendemos os jargões do jornalismo, a técnica do Lide (do inglês lead) que é usada na produção de toda notícia e também produzimos um jornal. Nessa época eu tinha muitas dúvidas sobre qual carreira seguir, apesar desse amor pela informação. Gostava das ciências sociais, de letras, de história, de cinema... Aos poucos, fui descobrindo que encontraria um pouco de todas essas matérias na faculdade de jornalismo, e aí tive certeza do que queria!

O pior ano de todos chegou: o ano do vestibular.
O último ano do ensino médio foi realmente sofrido pra mim. Eu sabia o que cursar, mas não sabia onde. Da escola onde vim, sucesso significava passar em uma universidade pública. Não interessava se a nota do seu curso fosse mais alta em uma particular, se você fosse pra lá, era considerado fracassado. Pode parecer exagero, mas até alguns professores endossavam essa teoria, e obvio que isso desesperava todos os alunos. Ninguém nunca se sente preparado pro vestibular. 

Sempre ouvi que dentre as públicas, a USP é a melhor na área da comunicação, e a concorrência do vestibular deixa isso bem claro: jornalismo, publicidade e audiovisual fazem parte da lista de cursos mais concorridos e com a maior nota de corte do vestibular da Fuvest. 
Se os outros alunos não se sentiam preparados, imagina eu - que apesar de me esforçar muito, nunca tirei mais do que razoável em exatas.
De cara desisti da USP, era um sonho muito alto pra mim. Dentre as outras opções, eu claramente não conseguiria me sustentar em outro estado, então optei pela Unesp, em Bauru.
Me inscrevi no vestibular, fiz cursos gratuitos de revisão (pra quem é da região de Campinas, todos os anos o Instituto de Biologia da Unicamp oferece o Verde Novo, cursinho popular de revisão pro vestibular, ótimo por sinal). Por fim, comecei a trabalhar logo que fiz 18 anos e o vestibular ficou pra depois.

No ano seguinte, depois de ver muitos amigos passando em universidades públicas, postando suas fotos pintados e felizes no trote, resolvi arriscar. Me inscrevi num cursinho pré-vestibular particular. Eu gastava 80% do meu salário com a mensalidade, mas sabia que ao final iria garantir minha vaga na USP. Como? Eu simplesmente sabia. E até hoje acredito que se tivesse continuado, em outras circunstâncias, teria conseguido.
Enfim, eu trabalhava numa livraria num shopping, o que significa trabalhar de segunda à segunda, sem final de semana ou feriado. Fui ficando pra trás nas matérias, não conseguia acompanhar o ritmo e estudar quando chegava em casa (porque, né? eu chegava em casa quase que no dia seguinte). Um dia, um professor disse que quem não estudava todos os dias nunca passaria no vestibular. Nunca.
Eu tentava muito não me deixar abalar, mas aquelas palavras acabaram com meu dia. Ou eu trabalhava, ou eu estudava, e sair do trabalho significava não ter a grana pra pagar o cursinho. Acabei saindo e tendo certeza que a USP não era pra mim.

Mudei de emprego, finalmente me livrei do shopping. Nesse tempo, me inscrevi na UFOP (Federal de Ouro Preto) pelo SiSU, e fui aprovada. Isso reacendeu a chama do vestibular em mim hahahaha. Eu obviamente não poderia cursar, por ser muito longe e em outro estado, mas resolvi não desistir. Voltei a estudar, dessa vez pra conseguir minha aprovação na Unesp.

Resolvi focar naquela prova específica e conhecê-la: fiz 7 (!!!) provas anteriores da Unesp, e comecei a entender melhor como ela funciona. 80% das questões são de humanas, para minha alegria, e o restante é dividido entre exatas e biológicas. Foquei meus estudos em humanas e não peguei no caderno de matemática/física nenhuma vez. Assinei o Descomplica, que é um site muito bom e que me ajudou demais, e pra minha surpresa, fui convocada para a segunda fase em 34º lugar. Fiquei sem reação, e peguei mais firme ainda para a segunda fase, que é dissertativa E HORRÍVEL.
Quero bastante destaque pro quão chata essa segunda fase é. Deixei toda a parte de matemática e física sem resultado, fazendo só algumas contas pra não zerar. 

No meio disso tudo, e antes de saber o resultado final, desanimei da Unesp completamente.
Conversei com alguns alunos de lá, e muitos deles me disseram que só vale a pena por ter uma universidade pública no currículo. E, convenhamos: gastar a grana que eu gastaria me mudando pra Bauru, pra não aprender da melhor forma que posso?
Já estava conformada quando saiu o resultado: aprovada em primeira chamada na Unesp. Salva pela redação, que quase atingiu a nota máxima.

Acho que o maior drama classe-média-sofre da minha vida foi esse. Eu queria mas não queria ir pra lá. A cada e-mail da Unesp me parabenizando ou apresentando o campus da FAAC eu chorava. Tentei bolsa pelo Prouni, não rolou. Tentei outras universidades pagas, mas a grana não dava.
Foi então que a Puc-Campinas abriu a seleção de vagas remanescentes. Eu não havia feito a prova, mas tinha me inscrito (e pago caro!) pro vestibular, então poderia tentar as vagas que sobraram pela minha nota do Enem e passei.

Mas, peraí, a Puc não tem um dos cursos mas caros de jornalismo em Campinas?
Na verdade sim, e eu não tinha a grana nem pra pagar a matrícula. Mas graças à Deus (ou ao governo federal. ou aos bancos) o Fies apareceu na minha vida e eu consegui financiar 100% do meu curso pra pagar só daqui 5 anos e meio.

Minha decisão de me arriscar a fazer uma dívida gigantesca foi bastante pensada, e até hoje penso se fiz a escolha certa. A Puc tem uma estrutura que eu nunca encontraria na Unesp - todo o equipamento para as gravações necessárias, todas as salas que usei até agora eram equipadas com datashow e a universidade oferece milhões de oportunidades fantásticas pros estudantes. Isso só mostrou pra mim que faculdade particular ruim é mito. Na verdade, toda universidade pode ser ruim, independente se você paga 1500 reais de mensalidade ou 1500 reais pelo simples prazer de morar em outra cidade e dizer que "a minha é federal".

Acho que o post ficou bastante longo, mas espero que ajude as pessoas que estão passando pelo momento horrível que é a escolha da universidade, do curso e das pressões do vestibular. Não deixem os outros dizerem que você é pior só porque não conseguiu uma vaga numa pública!
Na próxima postagem da série, vou contar um pouco sobre como foi meu primeiro semestre no curso.

8 de julho de 2014

[Resenha] A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert - Joël Dicker

A vida depois de Nola não era mais vida.


Quando recebi esse livro da Intrínseca até me assustei: quase 600 páginas.
Tenho um problema sério com livros grandes, sempre acabo desistindo em algum momento porque a história começa a ficar muito densa, muito longa... O que eu não imaginava é que nem todo livro longo é assim. A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert ganhou meu coração, e eu não estava preparada pra isso!

No livro conhecemos Marcus Goldman, um jovem escritor que ficou milionário com sua primeira obra, mas que está passando por um bloqueio de criatividade horrível. Colocado contra a parede por seu editor, tem um prazo curtíssimo para entregar os rascunhos de um novo livro, ou seu contrato de milhões será cancelado e levado à justiça.

Desesperado em busca de algo que desperte novamente sua criatividade, Goldman telefona para seu mentor, Harry Quebert, buscando abrigo na cidadezinha onde ele vive - Aurora, em New Hampshire.
Harry Quebert foi um grande escritor no passado, conquistando a fama com sua obra prima As Origens do Mal. Conheceu Marcus quando lecionava na Universidade de Burrows, tornando-se mentor de Marcus e ensinando-lhe tudo sobre como é escrever um livro. Goldman então aceita a estadia, e no período que passa em Aurora nada muda, nem uma linha sequer foi escrita.

De volta à Nova York, e com o prazo cada vez mais apertado para a entrega dos rascunhos, recebe pela TV a notícia que irá virar seu mundo de cabeça pra baixo: foi encontrado no quintal da casa de Harry Quebert os restos mortais de uma garota desaparecida há mais de 30 anos: Nola Kellergan. Harry era acusado de seu assassinato.
Marcus não aceita que isso seja verdade, e parte novamente à Aurora para investigar de perto o que estaria acontecendo com seu melhor amigo.

Já em Aurora, Marcus investiga mais a fundo até que a própria polícia local, e acaba descobrindo que Harry, na verdade, teve um caso com Nola Kellergan aos 35 anos, quando a garota tinha apenas 15. Pra piorar ainda mais a situação, o acusado assume ter escrito As Origens do Mal inspirado na história de amor dos dois - e um original manuscrito com os dizeres "Adeus Nola Querida" é encontrado junto ao corpo.

Todos os indícios apontam para Quebert, que aos poucos foi perdendo toda a glória conquistada nesses anos de best-seller. Seus livros foram recolhidos das lojas e excluídos das leituras obrigatórias de escolas e universidades, seu posto de professor universitário foi substituído e toda a população de Aurora sente asco só em ouvir o seu nome. Marcus, contudo, ainda não acredita que seu mentor e melhor amigo seria o responsável pelo assassinato, e continua sua investigação por conta própria. Porém, alguém na cidade está muito incomodado com isso, e passa a ameaçá-lo de forma anônima.

Ainda sendo pressionado a entregar um novo livro à editora, Goldman tem uma ideia: escrever um livro baseando-se em todos os seus manuscritos e investigações sobre o caso Harry Quebert.

No decorrer da história muitos personagens da cidadezinha nos são apresentados e vão mostrando aos poucos sua importância na história. O livro intercala as investigações de Goldman, um pouco de seu passado antes da fama, seus anos na universidade e como sua amizade com Harry Quebert foi construída. Paralelo à isso, o livro retorna a 30 anos atrás e retoma os dias antes e depois do desaparecimento de Nola, na perspectiva dos diversos personagens, construindo assim toda a trama. Além disso, há trechos de As Origens do Mal e dos depoimentos de Harry gravados por Marcus.

Quero destacar algo que mexeu muito com o meu passado: quando tinha uns 12 anos queria muito ser escritora, e acho que se tivesse seguido firme nisso teria conseguido - escrevia bastante, e gostava disso, mas assim como Goldman a minha criatividade se esgotou (pena que antes de publicar algo).
No início de cada capítulo, antes da história principal, estão transcritas algumas das dicas que Harry deu ao Marcus quando ele ainda era só um aspirante a escritor. São 31 regras, em ordem decrescente. Ou seja: ao abrir o livro, a primeira dica que você verá, foi a última que Goldman recebeu. E posso garantir uma coisa - são realmente bastante úteis e bacanas pra quem pensa em ser escritor. 
" - Se os escritores são criaturas frágeis, Marcus, é porque são passíveis de conhecer dois tipos de sofrimentos sentimentais, ou seja, duas vezes mais que os seres humanos normais: as dores do amor e as dores literárias. Escrever um livro é como amar alguém: pode acabar sendo muito doloroso" (26)
Eu gostei demais desse livro, de verdade. Estou cada vez mais apaixonada pelos thrillers, e esse com certeza está no topo da lista!
A história tem muitas reviravoltas, muita tensão, mas não de uma forma que fica chata e maçante. Eu normalmente detesto esse monte de reviravoltas porque, pra mim, parece muito forçado. Mas nesse livro o autor conseguiu ser tão natural, que ficou bastante real, e no final eu não sabia dizer se era realmente um livro de ficção ou baseado em algo que realmente aconteceu. 
A história de amor entre Harry Quebert e Nola Kellergan é toda poética, sensível e especial, e esse é o principal ponto que nos deixa surpresos quando descobrimos quem realmente era Nola Kellergan. Além disso, me rendeu uma boa lista de quotes - coisa que nunca imaginaria vinda de um livro do gênero.

Esse é um dos melhores livros que já li, e afirmo isso sem pensar duas vezes!
A história é envolvente, bonita, dramática... E torço os dedinhos pra que vire uma adaptação pro cinema logo!
Infos:
Título Original: La vétiré sur l'affaire Harry Quebert
Autor: DICKER, Joël
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580575118
572 páginas
Livro cedido para resenha pela editora.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

5 de julho de 2014

[Resenha] Desventuras em Série vol.2: A Sala dos Répteis - Lemony Snicket

Esperar que o tio adotivo voltasse para casa enquanto um homem ganancioso e violento se instalava no andar de cima, foi uma das piores esperas de toda a vida dos Baudelaire
A Sala dos Répteis é o volume 2 da coleção Desventuras em Série. Leia aqui a resenha do volume 1, Mau Começo.

Oi gente!
Esse é o segundo livro da minha meta de leitura das férias.

No livro anterior da saga, Mau Começo, os irmãos Baudelaire até conseguem escapar das garras do terrível Conde Olaf, mas o vilão acaba fugindo sem deixar rastros. A história poderia acabar por aí: os três órfãos se livram do Conde, vão viver com a vizinha-amiga e ficam felizes para sempre.
Mas como todos sabem, essa não é uma história feliz, e as desgraças na vidas desses três só estão começando.

No segundo volume da coleção Desventuras em Série - A Sala dos Répteis - Violet, Klaus e Sunny vão morar com um tio muito, muito distante: o Dr. Montgomery Montgomery, ou apenas Tio Monty. 
Tio Monty é um cientista muito consagrado, e seu principal objeto de estudo são as cobras e serpentes. Além disso, ele se mostra extremamente preocupado e carinhoso com as crianças, ganhando a confiança delas logo de cara. 

Os dias em sua casa são felizes: cada um dos três tem seu próprio quarto, roupas novas, comida da boa, e não precisam realizar dezenas de trabalhos domésticos como acontecia no castelo do Conde Olaf. Tio Monty, inclusive, se prepara para uma viagem pela América do Sul para estender sua pesquisa, e almeja levar os irmãos Baudelarie com ele. Por isso, os três passam o dia na chamada Sala dos Répteis, onde Montgomery abriga todas suas espécies, se preparando para a viagem. Klaus fica encarregado de pesquisar mais sobre o Peru, Violet conserta as armadilhas que serão usadas e Sunny passa as tardes roendo cordas.

E assim, cada um deles fazendo o que lhe deixa feliz, os três conseguem levar uma vida tranquila... Mas não por muito tempo. 
Um belo dia, o novo assistente do Tio Monty chega à casa. O cara poderia se disfarçar o quanto quisesse, mas os garotos reconheceriam aquele olhar: era o Conde Olaf!

Li esse livro em uma tarde.
Como já citei na primeira resenha, gosto bastante da narrativa do autor, que não deixa as coisas tão infantis apesar de a princípio ser essa a imagem que o livro passa. Muitos assuntos sérios são tratados de forma mais leve, e isso me cativou bastante.
As ilustrações são um show a parte - mesmo tendo lido no e-reader, me apaixonei por elas. Quero muito o livro físico!

O único ponto não tão positivo, é que pra mim tudo aconteceu muito rápido. Tive a sensação de estar lendo um conto, e não um livro. Acredito que no primeiro volume aconteceu muito mais coisas do que nesse, mas pelo tamanho da coleção - 13 livros - é bem provável que esse estilo permaneça, o que não me fez gostar menos! Só aguçou mais ainda a minha curiosidade.

Infos:
Título Original: A Series of Unfortunate Events - The Reptile Room
Autor: SNICKET, Lemony
Editora: Cia. das Letras
ISBN: 9788535901436
184 páginas.
Para comprar: Submarino | Americanas
(comprando através dos links do blog, a blogueira que vos fala ganha um dinheirinho pra investir em mais resenhas pra cá)

3 de julho de 2014

[Convite] Parceria com a loja online do Poesia Destilada!

Oi gente!

Hoje venho falar sobre algo muito legal: na próxima semana (sem falta!) vai ao ar a loja online do Poesia Destilada. Fico muito feliz em anunciar isso, e mais feliz ainda em poder fazer esse convite a todos os blogueiros amigos!

Estou selecionando blogs ou fan pages para uma parceria com a loja.
Essa parceria inclui descontos na loja (pro blogueiro e seus leitores), mimos especialmente cedidos para sorteio, além de outras coisas muito especiais que estou planejando pros parceiros.
Se você tem interesse em ser um dos parceiros, é só enviar um e-mail para poesiadestilada@outlook.com.


Não esqueça de ficar atento à sua caixa de e-mail: também estou convidando alguns blogs específicos para a parceria.

Mas, o que a loja vai vender?!
A princípio, estou criando camisetas com estampas voltadas aos livros, filmes, séries e mais alguns temas legais, como a proteção aos animais e fotografia.
Também pretendo colocar a venda marcadores, capas protetoras de livros feitas artesanalmente, caixinhas, dentre outros.
Se você tem alguma sugestão de estampa ou produto, pode deixar um comentário aqui no post!



1 de julho de 2014

[Resenha] Garota Replay - Tammy Luciano

Aquilo era amor, o tal amor, do jeito mais nobre da palavra, um sentimento difícil de detectar, mais difícil ainda de achar


Oi gente!
Há uns dias atrás publiquei a minha lista de leitura pras férias. Até hoje já consegui ler metade dela, e com certeza irei acrescentar mais alguns títulos. O primeiro escolhido foi Garota Replay, da autora nacional Tammy Luciano. Como contei no post, ganhei esse livro há mais ou menos dois anos mas nunca tinha me interessado muito e já que estou tentando diminuir o número de livros não lidos na minha estante, resolvi dar uma chance a ele.

A história se passa no Rio de Janeiro, e a protagonista é Thizi.
Thizi tem pais ausentes, mas apesar disso tem tudo o que quer. Mora num apartamento de classe média-alta com sua "babá", enquanto seus pais viajam o mundo todo. Resolveu largar a faculdade de Administração e agora pensa em cursar Moda.

O livro começa com as aflições da mocinha, que acabou de terminar seu relacionamento nada bacana e brigar com seu melhor amigo, Tito, tudo porque ele flagrou o ex-namorado de Thizi aos beijos com outra garota, e se envolveu numa briga feia com o cara. Resultado: um nariz quebrado e muita raiva.
Ao sair da festa no auge do ódio e com bastante álcool na cabeça, Tadeu (o ex namorado) sofre um acidente de carro, junto com seu melhor amigo, e agora ambos estão no hospital em estado grave.

Thizi então passa seus dias se lamentando: pelo acidente, por descobrir a traição, e pela saudade do seu melhor amigo, que resolveu se afastar dela para não se meter em mais porcaria.
Em um final de semana, resolve sair para esparecer. Ao chegar a balada, depara-se com: si mesma.
Sim! Uma outra menina, fisicamente idêntica à ela, mas muito mais radiante e feliz, e que a chama de idiota sem nenhuma delonga.
Thizi obviamente se assusta e passa a formular milhares de teorias na sua cabeça - uma irmã gêmea? um clone? alucinações? espíritos? E passa então a encontrar a sua "replay" cada vez mais, investigando o que poderia estar por trás de tudo aquilo.

O livro é bem curtinho. Cá pra nós, eu não estava gostando nenhum pouco no começo, achei que a história era muito rasa e previsível -  ela obviamente passava por coisas como ter um melhor amigo apaixonado por ela sem que ela soubesse e, de repente, ele ser super lindo e ela também se apaixonar - e eu comecei a ficar cansada de tanto clichê. A narrativa da autora também me cansou um pouco, era muita repetição a todo momento. Ela repetia o quanto seu namoro tinha sido um saco, o quanto ela o traía, o quanto ela sentia falta do seu melhor amigo e o quão maravilhoso ele era. Não sei se esse é um problema que acontece em todos os livros dela, porque esse foi o primeiro que li, mas gostaria de ler alguma outra obra pra tirar essa impressão. Talvez seja só o modo como essa história foi contada.

O final foi o que fez o livro não ser totalmente uma perda de tempo, confesso. Foi basicamente o que eu imaginava para outros tantos livros, e me surpreendeu bastante. Se você tiver um tempinho e quiser conhecer mais da nova literatura nacional, recomendo a leitura, mas eu particularmente não deixaria de ler algum outro livro para ler esse, mas vai bastante do tipo de livro que cada pessoa gosta e da identificação que rola com os personagens - coisa que ficou bem distante da minha realidade. Recomendo para quem gosta de um romancinho água com açúcar.

Infos:
Título Original: Garota Replay
Autora: LUCIANO, Tammy
Editora: Novo Conceito
ISBN: 8581630073
144 páginas.